VIRADA DO ANO TERÁ MAIOR FLUXO NAS ESTRADAS E REFORÇO DE EQUIPES DA ECOSUL

BR-116 em Jaguarão. Foto:  Ecosul – Gustavo Vara

Projeção é que 156 mil veículos circulem nas BRs da Zona Sul entre sexta (29) e segunda (1º), superando movimentação do Natal

Desede ontem, sexta-feira (29), as rodovias federais da Zona Sul do Estado devem registrar uma movimentação de veículos ainda mais intensa que a do final de semana do Natal. Para o período de virada do ano, a projeção é de que 156 mil veículos se desloquem pelas BRs 116 e 392 na área do Polo Rodoviário de Pelotas. Os principais destinos devem ser as praias da região, especialmente Cassino, São Lourenço do Sul e Laranjal.

Diante dessa expectativa de tráfego, a Ecosul manterá operação especial para atender os viajantes que se deslocarem em busca de descanso e celebração da chegada de 2024. O trabalho extra inicia já nesta sexta, se estendendo até o final da próxima segunda (1º). Na praça de pedágio do Capão Seco (km 52 da BR-392), no caminho para Rio Grande, haverá reforço de até 47% no número de funcionários atuando.

“Todas as nove pistas manuais e as duas de passagem automática estarão disponíveis para os motoristas que buscarem o litoral neste final de 2023 e início de 2024. O objetivo é tornar o atendimento e a passagem ainda mais ágeis, além de estarmos à disposição com os demais serviços que a concessionária oferece”, destaca a gerente de operações, Liliane Firmiano. A operação será integrada também com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), que terá viatura a postos próximo ao pedágio para auxiliar no controle do trânsito.

Além do aumento no número de pessoas atuando no ponto onde é esperado o maior fluxo, a Ecosul também terá equipes e viaturas posicionadas ao longo de todo o trecho de 457,3 quilômetros da concessão. Serão três veículos de inspeção de tráfego, seis ambulâncias de resgate, um veículo leve de atendimento médico, seis guinchos leves e dois guinchos pesados.

Cuidado com a hidratação

Apesar da previsão do tempo indicar que o calor no sul do Estado não deve ficar acima dos 27ºC até o primeiro dia de 2024, a concessionária preparou serviço especial para atendimento aos motoristas e passageiros. Caso filas se formem nos pedágios em momentos de maior movimento na ida ou na volta do litoral, equipes estarão a postos para distribuição de água.

Horários a serem evitados

Conforme o setor de operações da empresa, o período em que tradicionalmente ocorre maior concentração de tráfego neste tipo de feriado é entre as 16h e as 22h do dia 1º, especialmente nas praças do Retiro (km 510 da BR-116, em Pelotas) e do Capão Seco, quando grande parte dos motoristas pega a estrada para retornar às cidades de origem.

A recomendação é que, se possível, os viajantes se programem para evitar este intervalo de horários visando transitar em uma estrada menos movimentada e não encontrar filas nos pedágios. Soma-se a isso, ainda, o reforço na orientação de revisão de itens fundamentais dos veículos (estado dos pneus, calibragem, óleo e partes elétrica e mecânica), bem como o uso do cinto de segurança e atenção à velocidade permitida, sinalização e cuidado com pedestres, ciclistas e motociclistas.

Em caso de necessidade

Ao longo do Polo Rodoviário de Pelotas, a Ecosul conta com cinco pontos do Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU), que funcionam 24 horas por dia. Estes locais servem como espaços de referência na busca por informações e descanso, oferecendo também água e banheiros. Confira onde ficam:

  • SAU Cristal – km 430,4 da BR-116 (sentido Norte)
  • SAU Turuçu – km 492 da BR-116 (sentido Norte)
  • SAU Arroio Grande – km 607 da BR-116 (sentido Norte)
  • SAU Rio Grande – km 33 da BR-392 (sentido Sul)
  • SAU Canguçu – km 125 da BR-392 (sentido Sul)

Para mais informações ou atendimento médico e mecânico nas estradas, o contato pode ser feito pelo telefone/WhatsApp 0800-724-1066. Deficientes auditivos podem ligar para o 0800-724-6090. O site www.ecosul.com.br e as redes sociais Instagram (@ecosul_) e X (@ecosul) também contam com atualizações que podem auxiliar nas viagens.

Comentários