ALARGAMENTO DAS PISTAS DO VIADUTO DO CASSINO GARANTE MELHORIAS NO TRÁFEGO DA BR-392

A mudança eliminou o estreitamento da antiga pista. Foto: QZ7 Filmes

Obra entregue pela Ecosul teve investimento de R$ 3,9 milhões e não havia sido contemplada pela DNIT durante a duplicação

A Ecosul entregou ontem (26) a obra de alargamento da pista viária sob o Viaduto do Cassino, no km 16 da BR-392. A obra, que não foi contemplada pelo DNIT na ocasião da duplicação do trecho, recebeu investimento de R$ 3.897.480,96 por parte da concessionária. De acordo com o gerente de engenharia, Miquéias Neuenfeld, além da pista, as alças de acesso ao viaduto foram ampliadas, garantido mais fluidez ao tráfego. O principal objetivo da melhoria foi possibilitar que os usuários tenham as duas faixas livres para a circulação dos veículos na BR-392. “A obra amplia o conforto e a segurança viária dos usuários por esse trecho que dá acesso ao Porto do Rio Grande, ao próprio município e ao Balneário do Cassino”, destaca. Por se tratar de uma via de acesso à zona portuária, onde veículos de passeio e comerciais trafegam diariamente, a movimentação é expressiva. Segundo dados da concessionária, até novembro de 2023 o volume diário médio de tráfego (VDM) da Praça do Capão Seco ficou em 11.545 veículos. “Essa obra é uma qualificação deste espaço, junto com outros investimentos, porque melhora a identificação, traz mais segurança e é um complemento ao embelezamento no local. Além disso, traz maior fluidez ao tráfego. Uma demanda antiga da comunidade rio-grandina”, destacou o prefeito do Rio Grande, Fábio Branco.

A obra amplia o conforto e a segurança viária dos usuários por esse trecho que dá acesso ao Porto do Rio Grande, ao próprio município e ao Balneário do Cassino. Foto: QZ7 Filmes

A mudança eliminou o estreitamento da antiga pista e trouxe a facilidade das pistas de aceleração e desaceleração para realização dos movimentos no viaduto. Os motoristas acessam o viaduto por faixas específicas, mantendo as duas faixas de circulação livres na BR-392. O engenheiro explica que a faixa auxiliar de desaceleração é destinada à redução de velocidade. “Dessa maneira o condutor consegue sair da via principal e ajustar sua velocidade de forma segura, com tempo e distância suficientes para acesso aos ramos do viaduto”, complementa Miquéias. Já a faixa de aceleração, destinada ao aumento gradativo de velocidade na saída dos ramos, permite que os usuários acessem a via expressa da BR-392 com a velocidade compatível, que no trecho é de até 60 km/h.

O viaduto ganhou também uma nova rede de iluminação com 43 postes duplos. Foto: QZ7 Filmes

ILUMINAÇÃO – O viaduto ganhou também uma nova rede de iluminação com 43 postes duplos, cada um com duas pétalas de luminárias LED na potência de 190 watts. “O projeto inicial era com 135 watts, mas ampliamos, com o objetivo de manter o padrão utilizado na iluminação pública”, observa. A obra contemplou ainda a construção de muros de contenção em ambos os lados da via, possibilitando alicerçar a implantação das novas faixas. Ao longo dos trabalhos o cronograma inicial de seis meses foi ampliado em função de condições climáticas adversas. Além disso, a interferência dos postes de alta tensão gerou a necessidade de remanejamento. “Com tudo isso entregamos em tempo de que os usuários do Polo Rodoviário Pelotas possam usufruir uma obra que impactará positivamente os deslocamentos do veraneio”, finaliza.

Comentários