GOVERNADOR EDUARDO LEITE DESTACA POTENCIAL DO RS EM ENERGIAS RENOVÁVEIS

Evento reuniu investidores e autoridades para debates sobre hidrogênio verde e energia eólica offshore – Foto: Gustavo Mansur/Secom

O governador Eduardo Leite participou do Wind of Change, que reúne investidores e autoridades para debates sobre hidrogênio verde e energia eólica offshore, gerada a partir do vento em parques localizados dentro do mar. No encontro, que ocorreu no hotel Laghetto, em Porto Alegre, Leite falou sobre o papel do planejamento governamental no fomento do setor de energias renováveis.

Eduardo Leite destacou a agenda das energias renováveis como uma oportunidade de desenvolvimento econômico, em consonância com a agenda global de sustentabilidade e respeito ao meio ambiente, e também falou sobre  o potencial do Rio Grande do Sul, que tem condições de geração de energia eólica offshore de cerca de 34 gigawatts (GW) somente em lagoas e 80 GW no oceano.

“O Rio Grande do Sul é destacado na sua oportunidade de geração de energia renovável, especialmente a eólica, pelos bons ventos que temos para os investimentos dentro do continente. E também para o offshore, que são as torres de geração de energia no oceano, em que o nosso Estado se revela especialmente competitivo pelo que temos de demanda interna e pela proximidade com a região Sudeste, onde há grande consumo, o que diminui os custos de transmissão”, disse.

Atualmente, 83% da energia gerada no Rio Grande do Sul é de origem renovável e o Estado ocupa a quinta posição no país em capacidade instalada de energia eólica. São 1.836 megawatts (MW) instalados em 80 parques eólicos em nove municípios.

“O Rio Grande do Sul é destacado na sua oportunidade de geração de energia renovável, especialmente a eólica”, disse Leite – Foto: Gustavo Mansur/Secom

Eduardo Leite disse que o Estado vem atuando de forma a facilitar o escoamento da energia gerada. “Observamos uma forte expansão da geração de energia eólica, mas uma limitação das nossas linhas de transmissão. Então trabalhamos para agilizar os processos de licenciamento dos projetos que estavam em curso para liberarmos com rapidez os investimentos para 3,2 mil quilômetros de linhas de transmissão no Estado, boa parte já concluídos e outros em fase de conclusão”, afirmou.

Agilidade e redução de custos no licenciamento ambiental, o estabelecimento de um comitê de planejamento energético e estudos de mapeamento do potencial energético do Rio Grande do Sul foram pontos lembrados pelo governador como parte das ações e compromissos do Estado com a pauta da energia renovável.

“A parte que cabe ao governo para dar ao potencial do Estado capacidade de execução começa justamente com o mapeamento desse potencial. Até pouco tempo, o Estado não tinha os estudos para identificar qual é e onde está esse potencial de geração de energia. Trabalhamos ao longo dos últimos anos no mapeamento e estamos fazendo o atlas energético do Rio Grande do Sul para que possamos oferecer aos investidores as informações necessárias, abreviando a etapa de estudos dos projetos”, explicou o governador.

O hidrogênio verde é outra pauta que vem recebendo ação destacada do Estado. Para viabilizar a ampliação da produção desse biocombustível e alcançar autossuficiência, o governo vem firmando parcerias com empresas interessadas em implementar projetos no Rio Grande do Sul. Desde 2022, já foram assinados quatro memorandos de entendimento com as empresas White Martins, Enerfín, Neoenergia e Ocean Winds. Boa parte desses projetos considera a integração com investimentos em usinas eólicas offshore.

Outra medida para a expansão da cadeia do hidrogênio verde foi a contratação, em julho do ano passado, de uma consultoria por meio da empresa americana McKinsey & Company, que elaborou um estudo sobre as perspectivas de mercado no Estado e um plano de desenvolvimento do setor.

“Estamos posicionando o Estado em uma agenda que ganha cada vez mais relevância no mundo. Isso não apenas tem valor econômico e conversa com um dos pilares do nosso governo, que é o desenvolvimento com inovação e sustentabilidade, mas também associa o Rio Grande do Sul às oportunidades de investimento que nos colocarão em destaque”, observou Eduardo Leite.

Organizado pelo Sindicato da Indústria de Energias Renováveis do Rio Grande do Sul (Sindienergia-RS), o encontro Wind of Change contou ainda com a  presença da embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Elizabeth Frawley Bagley. Depois do evento, a diplomata foi recebida pelo governador no Palácio Piratini, para ampliar o diálogo e a aproximação dos Estados Unidos com o Rio Grande do Sul na pauta energética.

Texto: Thamíris Mondin/Secom
Edição: Vitor Necchi/Secom

Comentários