ESPECIAL DE DOMINGO: CMPC INVESTIRÁ R$ 16 MI NO PORTO DE PELOTAS

Marcelo Lucietto (Diretor Jurídico da CMPC no Brasil), Mauricio Harger (diretor-geral da CMPC no Brasil), Tarcísio Gomes de Freitas (Ministro da Infraestrutura) e Fernando Estima (diretor-superintendente do Porto do Rio Grande). Divulgação CMPC.

Operando no terminal desde outubro de 2016, multinacional chilena estende por mais dez anos seu vínculo em leilão promovido pelo governo federal

A CMPC venceu, nesta sexta-feira (09), leilão para operar o terminal portuário de Pelotas (RS) pelos próximos dez anos. O valor a ser investido pela empresa em melhorias de infraestrutura durante o período soma o valor de R$ 16 milhões. A concessão foi realizada pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) na sede da B3 (São Paulo) e integrou a “Infra Week”, semana de leilões promovida pelo governo federal para ampliar os investimentos da iniciativa privada no país.

Atual operadora do espaço portuário, a CMPC investe no local desde 2016, quando começou suas atividades hidroviárias no município. Na época, foram gerados 800 empregos diretos e indiretos. Nestes cinco anos de atuação, a empresa foi responsável por mais de R$ 25 milhões em investimentos, que foram destinados a melhorias em infraestrutura, obras de controle ambiental, dragagem, calçamento, pavimentação de vias do entorno e apoio a iniciativas sociais nas comunidades vizinhas – este último num valor próximo dos R$ 2,5 milhões.

Localizada em Guaíba (RS), a CMPC historicamente utiliza a hidrovia da Lagoa dos Patos para o transporte de cargas. Com um porto próprio em sua planta industrial, a empresa carrega celulose da região metropolitana de Porto Alegre até o Porto de Rio Grande. A mesma barcaça se desloca para Pelotas, recebe madeira de eucalipto, que é plantada e colhida na região sul do estado, e retorna até a unidade produtiva. Essa logística circular evita a realização de 100 mil viagens de caminhão por ano. Em 2020 a organização foi responsável por 30% da movimentação total por hidrovias no Rio Grande do Sul, transportando 1,7 milhão de tonelada de celulose e 900 mil toneladas de madeira.

“Estar presente com uma operação portuária em Pelotas é algo altamente estratégico para a CMPC. Temos grande parte dos nossos hortos florestais localizados na região sul do estado, de modo que o uso da hidrovia nos possibilita uma logística limpa a um custo competitivo. É extremamente gratificante saber que vamos seguir investindo em um município que é um polo econômico, cultural, universitário e também portuário”, afirmou o diretor-geral da CMPC, Mauricio Harger.

Sobre a CMPC

A CMPC Brasil tem sua unidade industrial localizada em Guaíba, no Rio Grande do Sul, faz parte do grupo chileno CMPC e produz, por ano, cerca de 1,9 milhão de toneladas de celulose – matéria-prima biodegradável utilizada na fabricação de produtos de higiene pessoal (tissue), de embalagens e de vários outros itens presentes no cotidiano das pessoas. Maior indústria do estado, conforme o índice VPG (Valor Ponderado de Grandeza), a companhia é responsável pela criação de 45 mil empregos diretos, indiretos e induzidos na economia gaúcha, com 6,6 mil profissionais atuando em suas operações industriais, florestais e portuárias. Presente no Brasil desde 2009, a empresa é uma representante da bioeconomia e tem suas operações baseadas no conceito da economia circular, transformando 100% resíduos sólidos do processo industrial em 15 novos produtos, desde matéria-prima para produção de cimento e painéis de madeira até corretivo de pH do solo e fertilizantes orgânicos. O grupo CMPC completou 100 anos de atuação no mundo em 2020 e conta atualmente com mais de 17 mil colaboradores em 45 unidades industriais de oito países da América Latina. Outras informações estão no site http://www.cmpc.com.br/.

 

Comentários