DNIT INICIA APLICAÇÃO DE ASFALTO NA NOVA PONTE DO GUAÍBA

Liberação do tráfego na travessia está prevista para ocorrer em novembro

Com os trabalhos acelerados e atividades executadas em diferentes pontos, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT) iniciou, no final de agosto, a aplicação de concreto asfáltico sobre a Nova Ponte do Guaíba, em Porto Alegre (RS). Com isso, começa a contagem regressiva para a liberação do tráfego na travessia, prevista para acontecer em novembro.

Inicialmente, uma extensão de 800 metros de um dos ramos da obra de arte especial, na interseção com a BR-290, a freeway, receberá uma camada de sete centímetros de Concreto Betuminoso Usinado à Quente (CBUQ) com polímero. O asfalto será aplicado diretamente sobre as lajes de concreto. A ação conta com o auxílio de motoniveladora, vibro-acabadora e rolos de compactação. Quando estiver em operação, este ramo possibilitará o acesso dos veículos que se dirigem do interior do Estado em direção à Capital.

Em continuidade à pavimentação, os trabalhadores estão finalizando os serviços de instalação de guarda-rodas e lançamento das lajes sobre os vãos que compõem os canais de navegação, que transpõem o Lago Guaíba. Na sequência, começa a aplicação do CBUQ. Com 575 metros, este trecho, denominado balanço sucessivo, também receberá uma camada de sete centímetros de altura do produto.

O DNIT reforça que de agora em diante a pavimentação irá ocorrer ao longo de toda a obra – conforme cada trecho for liberado – empreendendo assim mais velocidade aos trabalhos. Ao todo, os 7,3 quilômetros de pontes e viadutos e mais os cinco quilômetros de trecho em aterro vão consumir aproximadamente 36 mil toneladas de CBUQ.

Outras frentes seguem a pleno como a execução da ligação da Nova Ponte do Guaíba com a rodovia BR-290/BR-116. A implantação do viaduto no km 99 está adiantada. Há atividades de fundação e construção de pilares. Já entre o km 100 e o km 102 o trabalho está focado no alargamento da pista existente da rodovia com a realização da terraplanagem.

Comentários