COLUNA CAMINHOS DA ZONA SUL – DIÁRIO DA MANHÃ – 06.08.2019

CAMINHOS DA ZONA SUL

www.caminhosdazonasul.com____________________Paulo Gastal Neto

Carvão – A Região Metropolitana de Porto Alegre deverá receber a maior mina de carvão a céu aberto do Brasil – a Mina Guaíba. O projeto da empresa Copelmi Mineração aguarda o processo de licenciamento por parte da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam). A proposta é escavar o complexo em uma área de aproximadamente quatro mil hectares nos municípios de Eldorado do Sul e Charqueadas para trazer à tona 166 milhões de toneladas de carvão mineral para uso em gaseificação, termelétricas a carvão, ou mesmo em um polo carboquímico. O Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR) realizou recentemente um debate “Mineração e segurança alimentar e nutricional: impactos e desafios em Moçambique e em Eldorado do Sul”, no auditório da Faculdade de Ciências Econômicas, da UFRGS, em Porto Alegre. Os Ministérios Públicos Estadual e Federal também realizarão, no dia 20 de agosto, audiência pública para instruir seus respectivos expedientes sobre o projeto Mina Guaíba. O debate acontecerá das 18h às 24h, no auditório do MP/RS, na Rua Aureliano de Figueiredo Pinto.

***

RG – Começou na semana passada, no Porto de Rio Grande, a primeira operação denominada TOP OFF. A manobra consiste em um complemento de carga entre o Porto Novo e o cais público na área do Estaleiro Rio Grande, no Superporto, objetivando complementar a carga do navio até o seu limite. A Connexion Export, que está realizando a exportação de toras de madeira para China, através da operadora portuária Sagres deu a ‘largada’ ao novo sistema. A Agência Nacional de Transportes Aquaviários autorizou três operações testes para o novo modelo. No Porto Novo, o calado operacional do cais é de 9,45 metros, o que impede que alguns navios deixem o porto com carga completa. A Superintendência dos Portos está juntamente com a Secretaria Nacional de Portos realizando a mudança no Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) do porto, tornando aquela área efetivamente de uso público para permitir esse tipo de operação de forma mais constante no Estaleiro.

***

Internacional – Entre os dias 22 e 25 de julho, a Agência da Lagoa Mirim (ALM), da Universidade Federal de Pelotas, participou de um conjunto de reuniões em Montevidéu, para tratar de temas relacionados à promoção do desenvolvimento regional no território de abrangência da Bacia da Lagoa Mirim e integração entre os dois países. As reuniões ocorreram no marco do Tratado da Lagoa Mirim, que desde 1977 aproxima os governos de Brasil e Uruguai na gestão compartilhada deste recurso hídrico, comum às sociedades de ambos os países. Estiveram no Uruguai o diretor da ALM, Gilberto Loguercio Collares e a professora Fernanda de Moura Fernandes, da área de Relações Internacionais. Esses encontros são fundamentais para a efetivação da hidrovia Uruguai-Brasil. A busca pela harmonização de estratégias comuns aos dois países, acompanhando o monitoramento permanente das águas da Lagoa Mirim, realizado pelo Laboratório de Águas e Efluentes da ALM e DINAGUA-UY.

***

Loira – O dia 02 de agosto passado marcou o ‘Dia Internacional da Cerveja’. E o Rio Grande do Sul tem muito a comemorar, pois é o Estado brasileiro com maior número de registro de novas cervejarias do Brasil, chegando a 186, em 2018. Os dados são do mais recente Anuário da Cerveja no Brasil, divulgado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Além disso, Porto Alegre é a capital com o maior número de registros de novas cervejarias. Só no ano passado, chegou a 465. O Sebrae-RS está presente nesse setor desde 2015 e já atendeu mais de 100 cervejarias qualificando-as por meio de consultorias, cursos e eventos. Atualmente, 35 delas participam dos projetos ‘Desenvolvimento da Cadeia Produtiva de Alimentos e Bebidas no RS’ e ‘Maturação Comercial para Indústrias de Alimentos e Bebidas’. A trajetória do Sebrae-RS com cervejarias começou com o projeto Polo Cervejeiro no RS, que procurou, inicialmente, reconhecer a cerveja como um segmento e fortalecer as suas lideranças. Foram trabalhados aspectos básicos, com enfoque em gestão, precificação e consultorias empresariais, bem como a identificação das lideranças e fomento da reconstrução da associação que os representa. No ano seguinte, em 2016, o foco foi transferido para dentro da fábrica, para melhorar produtividade e rentabilidade. Em 2017 e 2018, o projeto tomou um novo rumo e foi destinado para crescimento e posicionamento das marcas.

***

Até a próxima!




Comentários