MOVIMENTO “JUNTOS PELA BR-116” VAI LEVAR PLEITO AO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

    Na sexta-feira, 20 de abril, com o auditório do Teatro do Sesc de Camaquã, completamente lotado, o movimento pela duplicação avançou em várias propostas. As centenas de pessoas que não conseguiram entrar assistiram do lado de fora, em um telão, o Painel RBS: “Duplicação Urgente da BR-116 Sul”, que apresentou novos encaminhamentos do Movimento Juntos Pela Duplicação da BR-116 Sul entendeu que a proposta do senador Lasier Martins (PSD), de pedir ao presidente da República, Michel Temer, o incremento de R$ 75 milhões para finalizar a obra, seria a melhor ação neste momento. A ideia foi aplaudida por todos os presentes e também levar o tema até os ministérios do Planejamento e da Fazenda, juntamente com o Ministério dos Transportes.

      “Nosso movimento cresceu e este evento é uma demonstração desta força em torno de uma obra que deve ser prioridade para a União. A presença de representantes de duas regiões, Sul e Centro-Sul, e de muitas lideranças políticas, pessoas que têm prestígio para realmente influenciar o Governo Federal é um fator muito positivo deste encontro.”

          O vice-prefeito Idemar Barz, que acompanhou a prefeita no evento, ressaltou os prejuízos econômicos e sociais.

    “A duplicação é fundamental para a economia da região, pois a BR liga a capital ao Porto de Rio Grande. E não podemos ficar de braços cruzados, enquanto vidas são ceifadas nesta rodovia”, disse.

    Na primeira parte do evento, foram ouvidos relatos de familiares que perderam parentes em acidentes fatais na rodovia e, na sequência, apresentada a retrospectiva da obra, dados econômicos e os reflexos da não duplicação, além da manifestação do coordenador da bancada gaúcha, deputado Giovani Cherini (PR), e dos representantes do Ministério dos Transportes e do Departamento Nacional Infraestrutura de Transportes (DNIT).

    Na opinião do analista em infraestrutura de Transporte do DNIT, engenheiro Hiratan Pinheiro da Silva, é preciso superar fatores econômicos e legais para avançar na conclusão da obra. “Os dois pilares para o não andamento da duplicação são a falta de orçamento e o preço do asfalto, que por lei é fornecido pela Petrobras. É necessária uma alteração ou um ajuste na Lei”, disse. Com a mediação do jornalista Daniel Scola, o debate contou com a participação de Flávia Barboza, que perdeu parentes na BR-116, do coordenador da Frente Parlamentar em defesa da duplicação da via, deputado Afonso Hamm (PP), do chefe da Delegacia de Eldorado do Sul, da Polícia Rodoviária Federal, Fábio Guilherme da Paz, do superintendente do DNIT, Delmar Pellegrini Filho, do coordenador da Aliança Pelotas, Gilmar Bazanella, e do prefeito de Tapes, Sílvio Rafaeli (PDT).




    Comentários