COLUNA CAMINHOS DA ZONA SUL – DIÁRIO DA MANHÃ – 24.04.2018

    www.caminhosdazonasul.com____________________Paulo Gastal Neto

    Abaixo ao atraso – Contrastando – ainda bem – com o baixíssimo nível dos debates desencadeados por vereadores da oposição, que se ‘agarram’ as ‘mal educadas’ manifestações da assistência sindicalizada que frequenta o plenário do legislativo local, a prefeitura de Pelotas teve a informação, na última sexta-feira (20), que o extrato do Acordo de Cooperação Técnica com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foi firmado. Enquanto uns insistem em promover o atraso e manter seus ‘guetos eleitorais’, percebe-se que a atual gestão tenta buscar saídas que possam driblar a crise nos investimentos que assola todo o país. A parceria tem o objetivo de estudar a mudança no sistema de iluminação pública do município para lâmpadas mais eficientes, com economia de energia. É claro que a turma do quanto pior melhor (pra eles) vai mandar contra! Só não vê quem não sai de trás da cuia.

    ***

    PartiuAs exportações gaúchas tiveram um forte crescimento em março, na comparação com o mesmo mês do ano passado: 19%, fechando em um total de US$ 1,56 bilhão. A análise desagregada mostra que as commodities, influenciadas pelo desempenho da soja (+45,7%), tiveram alta de 36,7%, ao somarem US$ 432 milhões.  O resultado quebra o recorde para o período, que era de US$ 315,6 milhões, de 2017. O valor embarcado foi o mais alto para o mês de toda a série histórica, iniciada em 1996. Na indústria de transformação, as vendas externas no terceiro mês do ano alcançaram US$ 1,12 bilhão, 13,6% a mais nessa base de comparação, o melhor resultado desde 2013 (US$ 1,14 bilhão). O desempenho do segmento exportador industrial gaúcho só não foi melhor porque março de 2018 contou com dois dias úteis a menos, 21, enquanto que em igual período do ano anterior foram 23 (incluindo a Quarta-feira de Cinzas).

    ***

    Acumulado – No primeiro trimestre de 2018, as exportações totais gaúchas chegaram a US$ 5,83 bilhões, o que representa alta de 75,6% em relação ao mesmo período de 2017. A indústria foi responsável por US$ 4,9 bilhões, avanço de 78,9%. Os melhores resultados vieram de Outros equipamentos de transporte (+31.000%), por conta da contabilização como exportação de uma plataforma de petróleo; Tabaco (+100,6%); Celulose e papel (+121,1%); Máquinas e equipamentos (+82,8%) e Veículos automotores, reboques e carrocerias (+29,9%). Materiais elétricos e Couro e calçados tiveram as perdas mais significativas, com 16,7% e 2,1%, respectivamente.

    ***

    PUBLICIDADE

    Para evitar alagamentos, o Sanep tinha como meta realizar a limpeza de 40.000 metros de canais de drenagem. Mas superou esse número e atingiu 80.000 metros, em uma ação que proporcionou um bom funcionamento do sistema de escoamento, durante a estação mais chuvosa do ano. Só que o trabalho ainda não terminou, afinal é preciso continuar esse esforço para a retirada de lama, lixo e entulhos que diminuem a capacidade de vazão das águas pluviais.

    É O SANEP FAZENDO O MELHOR PARA VOCÊ E PARA A NOSSA CIDADE!

    ***

    Luz no fim do túnel? – O Grupo Ecovix anunciou na semana passada que aguarda a liberação da Justiça para a realização de uma assembleia geral de credores porque houve divergência com um sócio indireto, a Funcef. O assunto está em análise no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, na 6ª Câmara Cível, sob a relatoria do desembargador Luís Augusto Coelho Braga. Na próxima quinta-feirta a Justiça deve decidir se libera a realização da assembleia. Sem a assembleia não haverá nem a apreciação nem a votação de um plano de recuperação judicial. Isso inviabilizaria a empresa, a retomada do polo naval e a utilização dos ativos, com a implementação de atividades complementares que tendem movimentar a economia da região sul gaúcha.

    ***

    BR-116 – A UCPEL apresentou na última sexta-feira, em Camaquã, durante evento das Alianças Pelotas e Rio Grande, números que afirmam que a conclusão da duplicação da BR-116 Sul deverá gerar um incremento de R$ 2 milhões para a economia do RS. Com a duplicação, estima-se crescimento tanto da produção quanto de serviços segundo o coordenador do EDR/UCPel, Ezequiel Megiato. A finalização da obra irá auxiliar na circulação de mercadorias, contribuindo para a arrecadação de municípios e estado. Haverá ainda diminuição do custo logístico em cerca de R$ 70,00 devido otimização de velocidade e redução do gasto com combustível, complementa Megiato.

    ***

    Até a próxima!




    Comentários