AZEITES SOFREM FORTE FISCALIZAÇÃO DO MAPA – QUASE 100% DAS MARCAS ENVASILHADAS NO BRASIL SOFREM ADULTERAÇÃO

    Em fase de crescimento e solidificação no mercado brasileiro, os azeites nacionais sofreram forte fiscalização por parte do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que investigou a qualidade dos produtos. Os azeites importados e envasilhados no Brasil, assim como os importados já envasilhados no exterior também foram alvo da fiscalização. Após as análises realizadas no Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro), aqui no estado, o MAPA decidiu retirar do mercado 43 marcas de azeites de oliva considerados impróprios para o consumo, com indícios de fraude. Foram avaliadas 76 marcas de 84 empresas brasileiras. Segundo o Mapa, entre os problemas encontrados, o principal foi a presença de azeite “lampante” (não refinado) e outros óleos, como o de  soja, que não são permitidos pela legislação. Em 311 amostras coletadas em todo o país também havia erros de informação nos rótulos.

    De acordo com a auditora fiscal federal agropecuária Fátima Parizzi, coordenadora geral de Qualidade Vegetal do departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal, no período de abril a novembro de 2017 foram fiscalizadas 76 marcas e realizadas 240 ações fiscais em todo o Brasil.

    Das amostras encaminhadas ao Lanagro, laboratório oficial do Mapa, 33 apresentaram resultados dentro dos padrões de qualidade estabelecidos pelo ministério. Para o azeite de oliva, em 43 amostras, os exames laboratoriais resultaram em problemas, por se enquadrarem como “fora do tipo” ou “desclassificado”. O Mapa já proibiu a comercialização e os produtos estão sendo retirados do mercado.

    Conforme a auditora fiscal, de outubro de 2016 a fevereiro de 2017, o Brasil importou 650 mil l de “azeite lampante”. A partir de março de 2017, quando se intensificaram as ações de fiscalização e o acompanhamento técnico dos lotes, desde a origem até o processamento, a importação passou para “apenas” 84 mil l.

    “Além das medidas punitivas aplicadas pelo Mapa, as informações sobre as empresas fraudadoras foram repassadas aos Ministérios Públicos Estaduais e também ao Federal. Até o momento, foram assinados quatro Termos de Ajustamento de Conduta no Paraná. Processos de investigação estão em andamento em outros estados que, com certeza, demandarão novas ações corretivas e consequentes punições”, esclarece Fátima Parizzi.

    ALERTA AOS CONSUMIDORES

    “Praticamente 100% das marcas envasilhadas no Brasil apresentaram problemas, enquanto que nas marcas envasilhadas no país de origem são mínimos os índices de não conformidade”, comenta a auditora.

    O Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento orienta os consumidores a ficarem atentos à denominação de venda do produto descrito no rótulo. O termo “azeite de oliva” pode aparecer em destaque, mas, nas letras miúdas podem constam as expressões “óleo misto ou composto, temperos e molhos”. É preciso atentar para as promoções, pois, um frasco de azeite de oliva contendo 500 ml, raramente, será comercializado com preços inferiores a R$ 10.

    As informações relativas à qualidade do azeite de oliva virgem devem constar em área importante do rótulo – pode ser usada a expressão “extra virgem”. Para o azeite descrito como composto, devido à mistura de azeite de oliva virgem com o refinado, é preciso constar a informação “tipo único”.

    Aqui estão os azeites reprovados nos testes do Mapa:

    1. Aldeia da Serra
    2. Andaluzia
    3. Anna
    4. Barcelona
    5. Casablanca
    6. Castelo Real
    7. Chef Ávilo Clássico
    8. Conde de Torres
    9. Do Chefe
    10. Dom Gameiro
    11. Donana Premium
    12. Don Léon
    13. Faisão Real
    14. Faisão Real Gourmet
    15. Figueira da Foz
    16. Imperatore
    17. La Española (lote 20616)
    18. Lisboa
    19. Lisboa Premium
    20. Malaguenza
    21. Marisa
    22. O Vira
    23. Olivenza
    24. Paschoeto
    25. Pazze
    26. Porto Valência
    27. Pramesa
    28. Quinta D’Aldeia
    29. Quinta da Boa Vista
    30. Quinta do Cais
    31. Quinta do Fijô
    32. Restelo
    33. Rioliva
    34. San Domingos
    35. Santa Isabel
    36. Serra de Montejunto
    37. Temperatta
    38. Tordesilhas
    39. Torezani Premium
    40. Torres de Mondego
    41. Tradição
    42. Vale Fértil
    43. Vila Verona

    Abaixo, a lista das marcas aprovadas nos testes do Mapa:

    1. Andorinha
    2. Báltico
    3. Beirão
    4. Belo Porto
    5. Bom Dia
    6. Borges
    7. Borges Clássico
    8. Carbonell
    9. Castelo
    10. Coccinero
    11. D’Aguirre
    12. De Cecco
    13. Dia %
    14. EA
    15. Felippo Berio
    16. Gallo
    17. Great Value
    18. Herdade do Esporão
    19. La Española
    20. La Violeteira
    21. Maria
    22. Monde
    23. Monini
    24. Nova Oliva
    25. Olitalia
    26. O-Live
    27. Oliveira da Serra Clássico
    28. Serrata
    29. TAEQ
    30. Terrano
    31. Verde Louro – Arbosana
    32. Verdemar
    33. Y Barra

    (Fonte: portal do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento)




    Comentários