Rádio Gaúcha deve iniciar operações em breve na região

    As informações são do excelente portal Tudo Rádio.

     A rede liderada pela Rádio Gaúcha AM 600 FM 93.7 de Porto Alegre contará com mais uma emissora em FM no Rio Grande do Sul. A informação foi veiculada por integrantes do programa”Bate Bola” da TVCOM (ligada ao Grupo RBS) e replicada pelo portal Gaúcho Rádios, parceiro do Tudo Rádio. A futura emissora ligada à Rádio Gaúcha é a atual Atlântida FM 102.1 de Rio Grande. Todas as emissoras envolvidas na futura mudança são operadas pelo Grupo RBS. A Rádio Gaúcha já conta com FMs na capital, Caxias do Sul e Santa Maria.

    A mudança em 102.1 FM de Rio Grande deverá ocorrer ainda nesse primeiro semestre, com a saída da Atlântida FM do canal. A estação que sediará a futura Rádio Gaúcha Zona Sul é de classe B1 de potência, porém já possuí um pedido de alteração em fase de tramitação para a classe A3, informações da Anatel (Sistema de Reserva de canais). Com isso a futura Rádio Gaúcha FM 102.1 deverá ter seu sinal ampliado no sul do estado, focando também o mercado de Pelotas (um dos mais populosos do interior do sul do país). Já a Atlântida FM seguirá com sinal na região através da potente Atlântida FM 95.3 de Pelotas, rádio com sintonia em Rio Grande. A classe de potência determina o porte e o alcance de uma estação de rádio (clique aqui e saiba mais).

    Essa movimentação no sul do estado é um desejo antigo da Rádio Gaúcha, mudança que já era ventilada pelo mercado desde 2012. Recentemente o Grupo RBS decidiu investir na expansão da Rádio Gaúcha para o FM, principalmente após os resultados positivos obtidos pela emissora em Porto Alegre (a audiência da 93.7 FM tem sido destaque no mercado gaúcho, segundo dados do Instituto Ibope). Em 2012 o Grupo RBS inaugurou a Rádio Gaúcha FM 105.7 de Santa Maria, rádio que substituiu a Itapema FM (também do grupo) e foi a primeira estação em FM da marca no interior do estado. Na sequência o mercado acompanhou a estréia da Rádio Gaúcha FM 102.7 de Caxias do Sul (também em 2012 e substituindo a Itapema FM na serra gaúcha).
     ________________________________________________________  
    Curta o Blog no Facebook
    Receba as atualizações do Blog no seu e-mail (newsletter)   




    Comentários

    1 comment

    1. Breno D'OLIVEIRA

      É sabido que as emissoras em FM tem alcance limitado, motivo pelo qual, as primeiras transmissões em radio amador foram experimentadas em FM, mas, pela cobertura limitada, optou-se pela onda curta, que não deixa de ser AM porém em frequência de maior propagação, haja visto que é possível ouvir-se estações do outro lado do mundo, com transmissores de potência relativamente pequena. Ironicamente, a radio gaucha em onda curta chega muito mal em Pelotas. E não é questão de aparelho de rádio porque a guaiba que fica colada nela, nos 49 m, entra melhor. A transmissão em FM limita-se à linha do horizonte que pode atingir até 150 Km desde que a antena esteja num lugar alto (em um morro) e o transmissor seja “fortudo”. Mesmo assim, andando de carro, a essa distância, só com muita sorte, e em terreno aberto(desde que não tenham outras na volta – o que não falta em Pelotas. Tem rádio que se espalha pelo dial todo.Trocando em miudos,existem limitações de potência para rádios de interior e, mesmo que “esgassem” tudo o que der, não acredito que essa “regionalização” dê certo com FM, Já tem gente de Rio Grande reclamando que a Atlântida de Pelotas foge dentro da cidade no carro em movimento. .Já notei isso testando com a Alegria daqui, que tem 10 KW, andando em Rio Grande, e foi a mesma coisa.Já a Pelotense com 10 Kw (em AM) entra no Uruguai. A não ser que “puxem” a antena um pouco mais pra cá, a Gaúcha “zona sul” não chegará nem em Canguçú que, em linha reta, fica praticamente na mesma distância de Pelotas a Rio Grande. E aí, a regionalização “foi pro saco”. Provavelmente, MAR A DENTRO, onde não tem arvoredos nem edifícios, ela será ouvida um pouco mais longe, na REGIÃO SUL, por organismos aquáticos…; Isso posto, torcemos para que os técnicos responsáveis pensem em tudo. Só trocar alhos por bugalhos não vai dar em nada.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.