Complexo energético Rio Grande foi apresentado na Câmara de Comércio

O Complexo Energético Rio Grande foi o tema da reunião-almoço “Tá em Pauta”, da Câmara de Comércio, realizada na última quarta-feira. O palestrante foi Ricardo Nino Machado Pigatto, sócio e diretor da Regás Brasil Sul, empresa responsável pela execução do complexo. Conforme ele, esse complexo é composto de três projetos distintos entre si, mas interligados. “É um dos projetos mais importantes do Estado. É o caminho do desenvolvimento com gás natural para o Rio Grande do Sul”, disse Pigatto.
O projeto do Complexo compreende um Terminal de Estocagem e Regaseificação de Gás Natural Liquefeito (GNL), a Unidade Termelétrica do Rio Grande (UTE) e o Gasoduto Rio Grande – Triunfo. O gasoduto se estenderá por 308 quilômetros, desde Rio Grande até o Polo Petroquímico, em Triunfo. O terminal de regaseificação será implantado entre os terminais da Braskem e da Petrobras. Já a UTE, que seria instalada no Distrito Industrial do Rio Grande, será feita em nova área, que está em fase de aquisição na Vila da Quinta.
Ao longo do traçado do gasoduto, haverá sete pontos de entrega, pois ele passará por vários municípios. O gás também poderá ser oferecido para Santa Catarina e Paraná. A comercialização de energia é feita em leilões do tipo A-5, em que a energia contratada hoje terá de ser entregue em cinco anos. O próximo leilão está marcado para 13 de dezembro, e o projeto da UTE, Rio Grande está participando. “É dar certo o leilão e se consegue implantar”, salientou.
O gasoduto também depende de leilão. Seu projeto foi apresentado ao Ministério de Minas e Energia em março deste ano e, conforme Pigatto, “sai de qualquer jeito”. “É o primeiro projeto privado colocado para o Programa de Expansão da Malha de Transporte Dutoviário”, ressaltou Ricardo Pigatto, que aguarda a licitação  para julho de 2014. “Precisamos estar com todos esses complexos operando até janeiro de 2018″, observou.
Os investimentos previstos são R$ 70 milhões no píer de atracação, R$ 800 milhões no terminal de regaseificação, R$ 2 bilhões na UTE Rio Grande e R$ 900 milhões no gasoduto Rio Grande/Triunfo. A reunião-almoço contou com a participação de diversas lideranças empresariais e políticas, incluindo o prefeito do Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer. O evento foi coordenado pelo presidente da Câmara de Comércio, Renan Lopes.  
Fonte: Carmem Ziebell – Jornal Agora

________________________________________________________  
Curta o Blog no Facebook
Receba as atualizações do Blog no seu e-mail (newsletter)   




Comentários

5 comments

  1. Rafael K

    Que maravilha. Esse projeto está engavetado desde a época da Governadora Ieda quando esteve em Rio Grande colocando a placa. Foi ótimo mudarem a Usina Termelétrica (UTE) para a Quinta pois isso vai possibilitar a área proposta anteriormente para outras empresas e indústrias seja do polo naval ou não. É um projeto que vai ao médio e longo prazo eliminar o gargalo que temos, possibilitando que a cidade e região possam ter novos investimentos sem riscos de falta de energia. Sem falar da geração de emprego, renda e impostos. Parabéns Rio Grande.

  2. Anonymous

    esse projeto se concretizando ai ja poderemos passar a ser uma cidade e nao mais cidadezinha a cada semana e anunciado um novo investimento na cidade mas nao conseguimos sair do estato de cidadezinha o mais recente e o complexo rheingantz

  3. Eduardo Mendes

    Olha Anônimo, sou pelotense mas trabalho e estudo em Rio Grande, que é uma cidade que me trata muito bem, aliás eu não conseguia receber um salário aqui em Pelotas como recebo em Rio Grande, pra mim e tantos outros conterrâneos que trabalham em RG. Mesmo que não tivesse esse projeto do terminal de regaseificação e usina termelétrica a cidade de cidadezinha como tu diz não tem nada, no que se refere a energia etc, está construindo vários parques de energia eólica que não temos em Pel e também a refinaria de petróleo rio grandense que aliás fornece pra todos nós pelotenses a gasolina do dia a dia, senão teríamos que mandar buscar em Canoas. Se tu realmente é de Rio Grande como parece dá mais valor pra tua cidade, é feio falar das outras cidades ainda mais da sua própria.

  4. Anonymous

    EDUARDO QUEM CHAMOU RIO GRANDE DE CIDADEZINHA FOI SR MIRIAM MARRONI QUE DISSE QUE RIO GRANDE ERA UMA CIDADE PEQUENA DA REGIAO METROPOLITANA DE PELOTAS , MAS ISSO E BEM FEITO PARA UM POVO QUE NAO VOTA EM REPRESENTANTES LOCAIS SE VOTACE EM CANDIDATOS DA TERRA NAO TARAIM OUVINDO COISAS DESSE TIPO

  5. Eduardo Mendes

    O Sr. Anônimo tem razão, povo que vota em políticos de outras cidades dá nisso mesmo, antes tivessem votado em candidatos locais. Mas ……… região metropolitana de Pelotas não existe mais, já foi trocado o nome do projeto, se for concluído o projeto será região metropolitana sul ou algo assim podendo ter mais do que uma cidade polo, já sabemos que serão nossa Princesa do Sul junto com a Noiva do Mar. E se ela falou uma ignorância dessas só mostra o quanto ela é equivocada nas suas opiniões, mas isso é problema dela. Vamos aproveitar a onda de crescimento que RG ta gerando e melhorar o que pudermos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 5 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.