Opinião: Shopping Pelotas vai dar certo! e outras reflexões…

    No próximo mês será inaugurado em Pelotas o primeiro shopping center da região. Como consumidor estou entusiasmado com a ideia, fico satisfeito ao ver que lá estarão algumas marcas que até então não possuíam operação na cidade. Não tenho dúvidas de que o Shopping Pelotas será um sucesso. Sinto falta desse tipo de espaço por aqui e pretendo visitá-lo com frequência. No entanto, gostaria de abordar neste espaço alguns tópicos que tem me chamado a atenção nas últimas semanas.

    Ouvi recentemente alguns comentários relacionando a presença de lojas voltadas para as classes A-B no shopping com alguns índices ruins da cidade nas áreas socioeconômicas. Estes comentários questionavam se haveria público em Pelotas, e no Shopping Pelotas, que sustentasse operações destes segmentos. 
    De fato, alguns indicadores da cidade são ruins. Pelotas tem o menor PIB per capita entre as 10 principais economias do Estado (PIB per capita equivalente a cerca de 1/3 do apresentado pela vizinha Rio Grande, por exemplo). Também é considerável a diferença de quantidade de habitantes entre as classes D/E e A/B (Porto Alegre tem 6 vezesmais pessoas nas classes A-B do que Pelotas, mas menos de 2 vezes o número de pessoas nas classes D-E, dados do IPC Marketing 2012). No entanto, é importante observar que isto não implica necessariamente que não haja um atrativo potencial de consumo na cidade. A mesma compilação de dados que citei acima (IPC Marketing 2012) mostra que Pelotas possui 121 mil habitantes nas classes A/B. Sem dúvidas, trata-se de um número relevante, e este contingente de consumidores não pode ser desprezado. Estes dados são reforçados, ainda, pela grande quantidade de pessoas de cidades vizinhas que consomem – e o apelo de um “shopping center” tende a aumentar este movimento – em Pelotas. 
    Por outro lado, tenho conversado com pessoas que trabalham nas áreas de marketing e consumo para tentar antecipar o futuro cenário das áreas que hoje são ocupadas pelo comércio em Pelotas. Busco responder, entre outros questionamentos, “com o shopping, o que ocorrerá com o centro de Pelotas?”.

    Uma das dúvidas é se há mercado para mais de uma operação de determinadas lojas de alguns segmentos no município. Em várias cidades de porte semelhante os shopping centers chegaram na mesma época do “boom” das principais redes e franquias. Ou seja, quando algumas dessas empresas se instalaram, foram direto para o primeiro shopping local. Em Pelotas, não. Estão instaladas na região central da cidade e, muitas delas, estarão também no Shopping Pelotas. A questão é se há público para manter também a operação localizada no centro da cidade ou se a parte mais nobre – comercialmente falando – da região (proximidades da Rua Quinze de Novembro) sofrerá um processo que tenho chamado de “Marechalflorianização“, perdendo essas lojas voltadas para um público mais seleto e recebendo empresas do padrão das instaladas nas proximidades das ruas Marechal Floriano e Marechal Deodoro, voltadas para um público com menor renda. Acredito que isso não vá ocorrer, mas considero interessante acompanhar esta possível mudança de perfil dessa região da cidade nos próximos anos.

    Por fim, gostaria de comentar uma declaração do prefeito de Pelotas Eduardo Leite. Há algumas semanas ele discursou em evento do Shopping Pelotas e, para minha (positiva) surpresa, disse que “as pessoas gostam destes ambientes (shopping centers) pois eles são como a população gostaria que fossem as cidades, organizadas e limpas”. Parece óbvio, mas ouvir isso de um ocupante de um cargo político, e justamente em um evento organizado pelos empreendimento, me causou uma agradável surpresa. Como disse no início deste artigo estou entusiasmado com a novidade, mas sempre é bom lembrar um dos principais motivos que fazem com que este tipo de negócio tenha tanto apelo em nosso país: o shopping center oferece aquilo que as cidades deveriam entregar – e não o fazem – aos seus habitantes, um espaço de convivência seguro, organizado e limpo.
    Marcelo Nogueira
    Blog Caminhos da Zona Sul

    Editado em 04/09: Alguns comentários de leitores do blog questionam os dados citados neste post. O material foi publicado neste espaço há cerca de um ano, e pode ser acessado clicando aqui. Sigam participando! ;)

    Mais da seção “Opinião”:

    * Pelotas versus Rio Grande?
    * “Nova economia” no Caminhos da Zona Sul
    * Marco’s em Gramado, Construtora Pelotense em Três Coroas.
    * Energia eólica na Zona Sul: Nem tanto ao céu, nem tanto à terra
    * Novo polo naval de Charqueadas. E Rio Grande?

    ________________________________________________________  
    Curta o Blog no Facebook
    Receba as atualizações do Blog no seu e-mail (newsletter)   




    Comentários

    14 comments

    1. Anonymous

      Pois é meu xará Marcelo, a tua curiosidade é a mesma minha, no começo por ser novidade não tenho dúvidas que as operações vão lucrar, eu penso no depois que passar a novidade o que será que vai acontecer? a gente sabe que as classes A e B consomem muito fora da cidade, na capital principalmente e no exterior, e logo logo Rio Grande também terá um shopping, então o futuro do shopping Pelotas é um ponto de interrogação, mas na arrancada não tenho dúvidas que será um grande negócio para todos.

    2. Rafael

      Pessoal,

      Moro em Porto Alegre e afirmo, Pelotas tem potêncial de sobra. Uma cidade deste porte não porde ser questionada sobre shopping. Cidades menores tem, e da certo. Cito Rio Grande então, com população bem menor que Pelotas e não ouço este “bafafa”.
      Em, Porto Alegre já é assim, classe A-B no shopping, as demais no centro que é sujo e perigoso, é tendência.

    3. Rafael e meu xará Marcelo,

      Talvez não tenha ficado claro, então vou reescrever aqui a minha opinião: não tenho nenhuma dúvida que o Shopping Pelotas será um sucesso comercial, tanto no início (novidade) quanto com o passar dos anos… há público para isso!

      Sigam participando do blog!

      Abraços,
      Marcelo

    4. Julian

      Acho muito válido esse questionamento sobre as possíveis mudanças no perfil do chamado “comércio de rua”. Conheço Pelotas apenas de passagem, sou de Canoas e estou morando em Rio Grande a 5 meses.
      Mas uso como exemplo a minha cidade natal, onde foi anunciada recentemente a construção de seu segundo shopping center. Lá o comercio de rua se limita a região central e algumas avenidas principais, sendo quase sempre do tipo popular. Canoas tem uma população inferior a Pelotas, e além de já ter um shopping relativamente grande (agora dois) a proximidade com POA contribui para que esse tipo de comércio seja limitado.
      Veremos o que acontece em Pelotas, pois cada caso é um caso, e as cidades tem suas peculiaridades.

    5. Marcelo e demais,
      Um problema em Pelotas é ser pessimista. É claro que o shopping será um sucesso e o centro também. Isso me lembra a época que se cogitou a instalação do carrefur lembram? (seria na frente do colégio Pelotense). Sendo o primeiro hiper na região. Mas o assunto que não saia da boca do povo era “vai quebrar todos minimercados da cidade!”. Com a pouca aprovação todos sabem a historia. Depois veio o Big e os Minimercados continuam lá. Também teve Azul que era seria besteira investir no aeroporto (diziam que era sucateado e não atendia a região e para isso se precisava construir outro)e que o voo da não passaria do primeiro mês. E agora tem há dois voos e saem quase sempre lotados. Com o shopping desculpem, mas “dizem que vai acabar com o centro”. É claro que não, seu acesso é restrito a outras regiões (Fragata, parte norte das três vendas, colonia e outras cidades)acesso só por carro ou com dois ônibus. Assim o centro é muito mais pratico(bem estruturado). No shopping o movimento deve mesmo ser grande nos finais de semana, final do dias de semana durante veraneio de quem quem vem das praias. No centro movimento forte nos dias uteis.

    6. Estou morando aos finais de semana em Pelotas há 2 meses. Me chamou a atenção o centro pulsante em compras, muitas lojas abertas, pessoas consumindo como um reflexo da economia forte, também puxada pela vizinha Rio Grande. Acredito, por isso, que o Shopping Pelotas será um sucesso, mas acredito que outros motivos contribuam para isso.

      O primeiro é que ele será um Shopping Regional, isto é, ele atenderá um público de quase 1 milhão de pessoas na Zona Sul, especialmente aos finais de semana. Até o primeiro Natal, ele deverá viver lotado, até em função da novidade.

      Outra coisa importante é analisar o tamanho do público AB em relação ao número de lojas em shoppings da cidade. Se POA tem 700 mil pessoas Classe AB e Pelotas tem 120 mil, POA oferece 2000 lojas nos 11 principais shoppings. Considerando as 172 operações de Shopping Pelotas, temos na capital a proporção de 350 pessoas/loja shopping, enquanto em Pelotas teremos o dobro: quase 700 Pessoas/Loja shopping.

      Não creio no fechamento do comércio do Centro. Acho que o principal reflexo será na readaquação dos horários. Vejo muitas lojas abrirem até às 19h ou mais, creio que vá reduzir para 18h, 18h30min. Aos sábados à tarde o fluxo deverá diminuir também, fazendo as lojas fecharem mais cedo. E com essas horas sobrando, talvez muitos lojistas passem a funcionar no horário do almoço, em vez de fechar, como acontece hoje.

      Enfim, só vendo pra crer. Mas tenho certeza que vai ser bom pra todo mundo. Se não fosse, não haveria esse BOOM de shoppings em todo o Brasil em cidade de tamanho médio como Pelotas.

      Abraços,

      Eugênio

    7. Anonymous

      Marcelo, desculpe mas acho que há uma incorreção nos dados do IPC marketing, pois o último senso mostrou que Pelotas tem 80% das suas familias vivendo com até um salário minimo e meio, então mesmo que as familias 20% restantes fossem todas da classe AB( e ai o teu artigo cortou a classe C que é a que mais consome no país)não chegaria nem perto de 120 mil pessoas, sinceramente se uma cidade do porte de Pelotas tivesse 120 mil pessoas na classe AB seria outra cidade, quanto ao Rafael está tremendamente enganado quando disse que em POA as classes AB é no shopping e o resto no centro, dados já mostraram que quem mais consome nos shoppings são as classes C e D, mas como disse outra pessoa ai muito conciente, cada lugar é um lugar e tem suas próprias caracteristicas e com certeza o shopping vai saber explorar as caracteristicas de comércio de Pelotas e será um grande sucesso como você disse.

    8. Vini Poa

      Muito cuidado com os números pessoal, podem induzir a erros fácil fácil, se POA tem 6 x mais classe A e B então tem 700 mil pessoas ai, se tem apenas 2 x mais D e E então são mais 400 mil pessoas, faltam ai cerca de 400 mil pessoas nos dados, ou seja, uma Pelotas inteira, não creio que estes números sejam importantes, na minha opinião o Shopping Pelotas será uma operação igual a todas as outras do mesmo porte que já vi no interior, dificilmente terá 100% de ocupação, lojas abrirão, daqui a pouco fecharão e outras abrirão e assim segue o ciclo, minha maior curiosidade é com a chegada de mais redes de fast food com o shopping, será que todas conseguirão se manter? será que as redes de fast food hoje fora do shopping conseguirão manter suas operações com a concorrência do shopping? quanto ao shopping realmente dar certo ou não, acho que só por sair do papel já deu certo já está consolidado pois a população a muito esperava por este tipo de empreendimento em Pelotas e certamente a resposta será positiva em todos os aspectos!

    9. Rafael K

      Boa tarde a todos. Particularmente acredito que o Shopping Pelotas vá ser um sucesso e não atrapalhará o comércio do centro. Também não vejo como sendo um shopping para uma cidade de 341.000 +- habitantes e sim vejo nos próximos anos TRÊS grandes shoppings para uma população de quase um milhão de pessoas na nossa metade sul, já que o deslocamento de pessoas entre as cidades é grande. Esse tipo de empreendimento é muito procurado e com certeza pessoas de todas as cidades do entorno de Pelotas e Rio Grande vão prestigiar, até pela pouca distância entre as duas cidades com uma rodovia duplicada onde se leva no máximo quarenta minutos entre uma e outra. Num primeiro momento acredito que o Shopping Pelotas (a ser inaugurado em outubro/2013) vá ter um movimento mais intenso por ser novidade e ser o único de grande porte na região, com 35.000 de área, o Shopping Praça Rio Grande com 37.000 de área (a ser inaugurado em março/2014) e o Parque Shopping Rio Grande (a ser inaugurado no final de 2015 com 45.000 de área – já começou semana passada sua construção) virão acompanhando. A metade sul vem crescendo com grandes investimentos, não só Rio Grande e Pelotas mas outras cidades como Camaquã e outras mais. Teremos em breve o corredor de exportação entre Porto Alegre e Rio Grande totalmente duplicado, temos aquecimento na contrução civil e um aumento populacional considerável, por isso o comércio precisa acompanhar esse crescimento. Os três shoppings com certeza darão conta da metade sul e acredito farão muito sucesso, sem que nossos centros (comércio de rua) sejam prejudicados. Vamos torcer para que sim, abraço a todos.

    10. Álvaro Karam

      Marcelo,
      Parabéns pelo blog, em especial por este comentário.
      Pelotas vem dando certo em vários setores já faz algum tempo. Somos referência em comércio para a região sul.Pela demora de um empreendimento deste porte vir para Pelotas, houve um fortalecimento e um crescimento do comércio de rua em Pelotas. Na minha opinião a cidade comporta sim um shopping, assim como os vários centros comerciais que já possui. A questão do comércio central,localizado hoje na denominada “área azul”, tem e terá SEMPRE o seu público. A nossa cidade tem algumas características positivas que devem ser preservadas, e o nosso comércio a céu aberto, com suas marcas locais e franqueadas, cafés, bancos etc. contando ainda com uma provável e necessária revitalização dos calçadões, será sempre um ponto de referência.
      Certamente em breve estaremos aqui debatendo se a Princesa comporta o 2º, 3º shopping.., porque o primeiro já é sucesso antes mesmo da abertura.

      Álvaro Karam

    11. José Carlos

      Aliás, a um tempo atrás eu tinha lido em uma coluna de um jornal da cidade que já teria outro shopping para ser instalado na cidade, parece que o nome seria Charqueadas Shopping, numa área que seria ali pela juscelino e cassiano. Alguém ouviu mais alguma coisa a respeito?

    12. Anonymous

      Acho que foram bem pontuais algumas considerações de leitores e do autor, não podemos esquecer da região(Zona Sul) que fortalece e muito a economia de pelotas. Seria interessante se possível levantar todos os dados de consumo da região, pois ai teriamos um real poder de compra.

    13. Rafael

      Rafael Lopes, sua análise está muito correta! Povo pessimista sim, é inacreditável achar que uma cidade deste porte não teria condições. Basta ver as pesquisas das contrutoras que estão a todo vapor com obras em Pelotas. A maior cidade da zona sul não teria condições, imagine as outras.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.