Milho produzido no Centro-Oeste escoa por Rio Grande

    Com uma colheita na safrinha de milho acima da média, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná terão de recorrer ao Rio Grande do Sul para poder dar conta da exportação do grão. É que o tempo de espera para embarque pode chegar a 90 dias em Paranaguá (PR), enquanto em Rio Grande o prazo cai para quatro dias. Com elevado custo dos navios – mais de R$ 120 mil por dia – , os exportadores concluíram que vale mais a pena encarar os mais de 2,5 mil quilômetros de estradas entre os produtores e o porto gaúcho.

    Até agora, dois navios já foram embarcados, cada um com 60 mil toneladas de milho.

    – Temos capacidade para movimentar até 1 milhão de toneladas – afirma Guillermo Dawson, diretor dos terminais Termasa/Tegrasa.

    Para o superintendente do porto, Dirceu Lopes, o escoamento da safra em Rio Grande foi possível graças aos investimentos dos terminais privados e agilidade no desembaraço das cargas.

    Novos investimentos para aumentar a capacidade de operação do porto de Rio Grande serão realizados no próximo ano, somando quase R$ 100 milhões.


    Fonte: Gisele Loeblein – Informe Rural – Jornal Zero Hora
    ________________________________________________________  
    Curta o Blog no Facebook
    Receba as atualizações do Blog no seu e-mail (newsletter)   




    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    dezessete − doze =

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.