Zero Hora: Estatal analisa novo trajeto para a Norte-Sul no Estado

Depois de anunciado o projeto de uma ferrovia pelo litoral de São Paulo até Rio Grande, o Estado agora ganha do governo federal a promessa da retomada da Norte-Sul. O trecho será um prolongamento da malha que vem de Panorama (SP). A dúvida é por quais municípios gaúchos passará até o porto marítimo.

A extensão da malha, projeto acalentado pelos governadores da Região Sul desde 2011, quando receberam a promessa da presidente Dilma Rousseff de incluir a obra no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), havia sido deixado de lado na divulgação do primeiro Plano Nacional de Logística, lançado em agosto passado.

O anúncio da nova estrada de ferro foi feito pela Valec, empresa pública responsável por administrar os programas de operação da infraestrutura ferroviária durante encontro organizado pela Comissão de Economia e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia gaúcha na tarde de ontem. De acordo com o diretor de operações da companhia, Bento Lima, o investimento para a construção dessa segunda malha será anunciado até o fim de 2013 com a divulgação do segundo Plano Nacional de Logística.

Procuradora vê atrasos e superfaturamento em obras

O trajeto ainda não está definido, mas já causa discussões acaloradas. O traçado proposto inicialmente passaria por Erechim, Carazinho, Santa Cruz do Sul, seguindo para Pelotas em Rio Grande. Mas o governo estuda a possibilidade de um outro trajeto, por Cruz Alta e Santa Maria.

A escolha caberá à Valec, com base em um estudo realizado pela companhia STE, vencedora da licitação. Com sede em Canoas, a empresa tem 12 meses para apresentar um levantamento apontando qual o melhor trajeto para o Estado.

– A expectativa é que o levantamento esteja pronto até o fim do ano – afirmou Zélia d’ Azevedo, da STE.

Além de detalhar a viabilidade comercial e ambiental dos possíveis trajetos da ferrovia, a empresa analisará a criação de um ramal até Uruguaiana, com o objetivo de ligar a ferrovia Norte-Sul a Paso de los Libres. A ideia é que sejam unificados as bitolas de Brasil e Argentina.

Comemorada pelos deputados e prefeitos na reunião, o anúncio da ferrovia no Rio Grande do Sul foi visto com ressalvas pela procuradora da República Lara Martinez.

– O governo mal consegue fiscalizar a malha que já tem – afirmou Lara.

A procuradora citou problemas como atrasos e superfaturamento na porção mais ao norte da ferrovia, que liga Barcarena (PA) a Açailândia (MA).

– A Agência Nacional de Transportes Terrestres multa, mas a empresa entra com recursos e mais recursos e nada acontece – completa a procuradora.

Fonte: Cadu Caldas – Jornal Zero Hora
________________________________________________________  
Curta o Blog no Facebook 

Siga o Blog no Twitter
Receba as atualizações do Blog no seu e-mail (newsletter)   

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.