ARTIGO – OS DESAFIOS DIÁRIOS DA GESTÃO HOSPITALAR

Os desafios diários da gestão hospitalar

Cláudio Oliveira*

A gestão em saúde é fundamental para o bom funcionamento de um hospital ou clínica, é a área responsável pelo planejamento e organização de qualquer unidade de atendimento. Quem escolhe a gestão em saúde como profissão tem que estar ciente que sua vida será para cuidar de outras vidas. Responsável por proporcionar um atendimento digno e de qualidade a todas as pessoas, o gestor deve proporcionar ainda um ambiente seguro e acolhedor aos colaboradores, além de controlar a atuação de acordo com todos os protocolos clínicos.

Atuar nesta área é integrar uma rede efetiva de serviço e apoio, muito além da área de gestão, porque, indiretamente, no protocolo está incluso o bem-estar dos pacientes e o salvamento de vidas. O gestor também tem que acompanhar as transformações no setor como um todo, como a necessidade de inovações científicas e tecnológicas, o equilíbrio constante dos recursos financeiros – além da atenção às demandas externas, principalmente a dos pacientes.

Administrar processos de trabalho e liderar pessoas é uma característica fundamental do bom gestor hospitalar. Nos processos de acreditação, bem como disseminação de epidemias é fundamental que os profissionais cumpram os procedimentos adotados, mas, sobretudo, alcancem os pacientes com resultados de valor humano.

Após a pandemia, o cenário da saúde brasileira mudou de patamar e as necessidades do setor também. Antes da COVID-19 não se tinha noção exata da real capacidade do Sistema Único de Saúde (SUS). Fomos testados ao máximo em todos os sentidos. Na época, atuava na direção de um grande grupo hospitalar, onde vivi momentos de tensão e preocupação extrema, sabendo que precisaríamos prestar atendimento a todos os pacientes, sem exceção. Passado o pior da pandemia, o setor enfrenta agora um outro problema, atender aqueles que não conseguiram realizar suas consultas, exames e procedimentos nos anos de 2020, 2021 e 2022, colocar a casa em ordem e zerar as filas de espera.

Ao exercer um papel principal a liderança deve-se apresentar boa capacidade comunicativa, de modo a motivar e aconselhar a equipe; uma forma eficaz de fazer isso é desenvolvendo programas de metas para as unidades. No Hospital Banco de Olhos São Pietro impusemos uma meta, a partir de janeiro de 2024: o paciente que necessitar cirurgia de catarata deverá ser chamado para realizar o procedimento em até 60 dias. Assumi a direção do hospital em abril de 2023, em meio a transição da antiga mantenedora e a chegada em definitivo do Grupo São Pietro. Atender as normas e a legislação atual não é fácil para nenhuma casa de saúde, não importa o tamanho.

O avanço tecnológico aliado ao estudo também gera novos métodos que beneficiam a medicina em todas as frentes, principalmente na gestão. O hospital tem uma história muito rica, tanto no atendimento como no ensino, sendo referência na área oftalmológica no Sul do País. Na média dos últimos três anos (2021, 2022 e 2023), o programa de residência do Hospital Banco de Olhos São Pietro se mantém em primeiro lugar na região Sul e em 7º lugar do Brasil. Não podemos perder o ritmo.

O papel do gestor é incentivar as boas práticas, contribuir com a assistência segura, melhoria dos resultados e a satisfação dos profissionais da instituição; além de realizar compra de insumos necessários e realizar os pagamentos das despesas do hospital. Uma gestão bem sucedida resulta em diversos benefícios, além do fator essencial, a garantia da melhor experiência para os pacientes e familiares, oferecendo à população serviços norteados pela sustentabilidade, qualidade e segurança, inovação, ética e respeito.

*Diretor Hospitalar do Hospital Banco de Olhos São Pietro

Comentários