FERTILIZANTE: DOS BASTIDORES DA FÁBRICA À ALIMENTAÇÃO DO MUNDO

Yara Rio Grande – Um exemplo de tecnologia a serviço da alimentação da população mundial.

Neste mês de outubro, mais precisamente no dia 13, se comemora o Dia Mundial do Fertilizante. E você já sabe que, por aqui, essa data é muito importante, né? Essa solução nasceu lá no século XIX, quando o químico Justus von Liebig constatou que as plantas precisam de certos elementos minerais do solo para aumentar o potencial de crescimento. Com isso, a era dos fertilizantes foi se expandindo e mudando a vida no campo.

Há mais de 115 anos, a Yara propõe soluções inovadoras para a nutrição de plantas. Segundo Guilherme Pegas, Gerente de Operações da Yara em Rio Grande, independente do tempo, o fertilizante sempre terá uma capacidade transformadora na sociedade. “O fertilizante, na minha opinião, é uma das grandes invenções do homem. Quando a gente olha a crise de fome que tem no mundo, é através de tecnologias como essa, conseguindo produzir cada vez mais fertilizantes, que será possível produzir mais alimentos e chegar de forma mais acessível no mercado ao consumidor. Só assim a gente vai conseguir minimizar um pouco do impacto social da fome”, destacou ele.

Guilherme Pegas, Gerente de Operações da Yara em Rio Grande.

A missão de alimentar o mundo está presente todos os dias na atuação da Yara. No nosso início, lá na Noruega, a utilização da energia hidrelétrica era nossa parceira para extrair o nitrogênio do ar e produzir os fertilizantes. Atualmente, a inovação segue fazendo parte das nossas operações. Pegas sabe bem disso, afinal está a frente do setor onde os fertilizantes se formam. Ele dividiu um pouco mais dos bastidores da produção de Rio Grande, com a ajuda das tecnologias de ponta: “Hoje, a gente produz uma média diária de 3500 toneladas de fertilizantes. A gente recebe as matérias-primas, que são fontes de nitrogênio, fósforo, potássio e algum micronutriente em forma de pó. No equipamento chamado granulador, a gente vai formar um grão com esses nutrientes, que varia a concentração de acordo com a cultura. O produto que a gente fabrica para soja contém uma variação de nitrogênio, fósforo e potássio diferente do produto que vai para o trigo, milho e arroz. Então, a gente segue uma receita de quanto se deve dosar cada uma dessas matérias-primas para dentro do equipamento. Com água e vapor, vai se formando como se fosse uma pasta e começa a gerar o grão.” É a partir disso, junto das etapas da peneira, do secador, do resfriador e empoador, que as soluções são produzidas dentro da nossa fábrica.

O investimento na modernização do complexo beneficiou esses processos. O resultado? A Yara RIG tornou-se a maior fábrica de produção e mistura de fertilizantes da América Latina. O nosso orgulho em trabalhar com a nutrição de plantas só aumenta, pois sabemos da relevância ao agricultor e acreditamos no poder que a alimentação tem à população. Por isso, esta data no mês de outubro representa toda uma história e dedicação envolvida com a Yara, visando impactar o mundo positivamente.

Comentários