FURG APROVA PROJETO PARA DESENVOLVER SISTEMA AUTÔNOMO DE ATENDIMENTO PARA EMPRESA

Tecnologia conta com participação financeira do Sebrae e estima valor em mais de 400 mil reais
 
Com o objetivo central de especificar e desenvolver algoritmos de tomada de decisão baseado em coleta de dado e processamento para a concepção de um sistema autônomo de atendimento, a unidade iTec/FURG aprova seu segundo projeto oficial. A iniciativa, desenvolvida junto a empresa Ubots conta com participação financeira da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com valor estimado de R$ 423 mil.
 

Coordenado pela professor Vinícius Menezes, o projeto de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) visa desenvolver modelos automatizar o relacionamento entre clientes e a empresa, por meio de um chatbot, tecnologia que consiste em um software capaz de conversar com um usuário humano de maneira natural, atendendo suas necessidades de forma rápida e eficiente. Este é o segundo projeto aprovado pela unidade em pouco mais de um ano de atividades Embrapii.

Para Sílvia Botelho, diretora da unidade, a contratação deste projeto é de extrema importância para a universidade. “Com ele iniciamos nossa atuação junto à startups, sendo que a Ubots tem como um de seus sócios um ex-aluno do Centro de Ciências Computacionais da FURG (C3). Estamos girando a roda: nossos alunos empreendendo, gerando trabalho e renda; e a FURG contribuindo após sua formação, com a inovação no mercado”, destacou.

A área de chatbots e o projeto

De acordo com Vinícius, coordenador do projeto, atualmente a Ubots possui um software próprio, que utiliza Inteligência Artificial para permitir que chatbots interajam com pessoas por meio da linguagem natural humana. “Essa ferramenta é um fundamental diferencial tecnológico e necessita, constantemente, de pesquisas e aplicações de novos algoritmos e técnicas para ampliar, cada vez mais, a capacidade que os robôs de atendimento possuem em conversar com humanos”, explicou o professor.

Segundo o coordenador, a maioria das empresas atuantes no mercado nacional faz o uso de softwares e Interface de Programação de Aplicações – do inglês Application Programming Inteface (API) -, de grandes companhias internacionais, como Google e IBM, por exemplo. “Entretanto, temos no Brasil, e em especial no Rio Grande do Sul, conhecimento e capital humano disponíveis para a produção desses softwares, nos diferenciando dos demais competidores”, ressaltou Vinícius.

No que tange o diferencial tecnológico empregado no projeto, o coordenador aponta para a aplicação de técnicas para ‘Sistemas de Diálogo’, que consiste em um conjunto de métodos e procedimentos computacionais que permitem ao computador ser capaz de conversar com pessoas por meio de texto, voz ou ambos. A proposta apresenta, também, o uso de ‘Linguística de Corpus’, que é uma área da linguística responsável pela coleta e análise de um grupo de textos escritos e registros orais em uma determinada língua para a composição de um banco de dados.

“Este projeto poderá fortalecer ainda mais o diferencial competitivo da empresa, elevando o potencial de gerar espaços de trabalho, aumento de faturamento e, assim, gerar mais ganho econômico para a sociedade”, concluiu o coordenador da proposta.

Sobre a empresa

Fundada em 2016, a Ubots é uma das startups mais ativas no segmento de robôs de atendimento, disputando espaço no mercado nacional e latino-americano. Em sua carteira de clientes, a empresa acumula grandes parceiros no Brasil, Chile e Peru, por exemplo. Focada em chatbots, a Ubots desenvolveu uma plataforma própria pensada tanto na interação com agentes humanos quanto com inteligências artificias do segmento – e até mesmo plataformas híbridas.

Comentários