COLHEITA DO ARROZ: SETOR ORIZÍCOLA ENCAMINHA CONJUNTO DE REINVINDICAÇÕES

Produtores de arroz estão enfrentando preços pouco remuneradores VALMIR MENEZES/DIVULGAÇÃO/JC – Jornal do Comércio

Medidas que diminuam os custos de produção e a resolução de questões relativas ao Mercosul são duas das principais demandas que a cadeia produtiva orizícola está encaminhando à ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Um documento foi previamente aprovado, em reunião da Câmara Setorial do Arroz ontem, durante a 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz. O evento está sendo realizado na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão.

As manifestações dos arrozeiros serão entregues ao governo federal em até duas semanas. De acordo com o presidente da Câmara Setorial do Arroz, Daire Coutinho, a crise da lavoura orizícola provoca uma redução na área de produção do cereal. O dirigente também diz que a indústria enfrenta dificuldades com a carga tributária. “Além de elevada, é injusta”, afirma. A reunião da Câmara foi prestigiada pelo presidente da Federação das Associações dos Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Henrique Dornelles.

De acordo com o dirigente, o cenário atual é diferente de todos os outros anos. Com a redução de oferta, os agricultores estão acompanhando preços nada remuneradores. Nesse contexto, Dornelles destaca que existe uma tendência de mudança do arroz para a soja. Apesar disso, o presidente salienta que a produção de arroz continuará sendo muito competitiva no Rio Grande do Sul. O presidente da Federarroz estima que o endividamento do setor seja de R$ 2,5 bilhões. A Abertura Oficial da Colheita do Arroz tem o tema Matriz produtiva: atividade diversificada, renda ampliada. Informações sobre a programação podem ser obtidas em www.colheitadoarroz.com.br.




Comentários