COLUNA CAMINHOS DA ZONA SUL – DIÁRIO DA MANHÃ – 18.12.2018

CAMINHOS DA ZONA SUL

www.caminhosdazonasul.com____________________Paulo Gastal Neto

Sobe – A CMPC Celulose Riograndense está fechando 2018 com operação à plena capacidade. Pela primeira vez, desde que a expansão da unidade foi concluída em 2015, o complexo completou 12 meses inteiros sem diminuição da potência máxima, ou seja, produzir cerca de 1,8 milhão de toneladas de celulose. Alguns problemas operacionais, como o dano de uma caldeira que interrompeu a produção da unidade por 150 dias no ano passado, impediram que essa meta fosse atingida antes. A empresa busca uma indenização de US$ 320 milhões com a seguradora Mapfre, que se recusou a pagar, alegando que a apólice não cobriria o defeito na caldeira. O assunto está sob arbitragem.

***

Volume – A estrutura de Guaíba deve encerrar 2018 com um volume de produção 60% superior ao de 2017. A expansão da fábrica absorveu em torno de R$ 5 bilhões em investimentos e permitiu quadruplicar a capacidade. Além de celulose, a CMPC pode produzir até 60 mil toneladas de papel ao ano no Rio Grande do Sul. O novo diretor-geral, Maurício Harger, destaca que a ideia de introduzir o sistema Lean (que se difundiu a partir de práticas da Toyota, priorizando uma produção enxuta e de combate aos desperdícios) na planta gaúcha tem avançado bastante desde que iniciou, em julho. O executivo detalha que o projeto foi dividido em três etapas, que deverão ser concluídas em 2020, quando todas as áreas da empresa estarão inseridas nesse modelo de disciplina operacional e melhora contínua.

***

Perspectivas – Harger tem uma expectativa positiva para 2019. Entre os motivos para esse otimismo, ele cita que existem muitas regiões do mundo que estão em desenvolvimento, o que aquece a demanda do setor em segmentos como fraldas descartáveis, papel higiênico, guardanapos, embalagens de compras feitas pela internet etc. O dirigente informa que o crescimento da demanda mundial de celulose em 2018 é na ordem de 2,2% e a tendência é que o próximo ano siga no mesmo ritmo. Atualmente, mais de 90% da produção da planta de Guaíba é exportada. No Rio Grande do Sul, a CMPC possui 914 hortos, em 57 municípios. São 324 mil hectares, sendo 170 mil hectares voltados para o plantio de eucaliptos e 154 mil hectares destinados à área de preservação permanente e para reserva legal. Desse total, 92% são plantações próprias e 8% através de parcerias. São em torno de 6 mil empregos diretos e de terceirizados permanentes gerados pela companhia no Estado.

***

Segurança jurídica – Foi com este termo que o presidente do Sinduscon de Pelotas e Região, Fabrício Iribarrem, avaliou a aprovação do Projeto de Lei, aprovado pela Câmara dos Deputados, que regulamenta os direitos e deveres no rompimento de contratos de compra de imóveis, o chamado destrato, antiga demanda do setor. O projeto aprovado determina que a incorporadora poderá reter 50% dos valores pagos pelo comprador caso o contrato não seja cumprido por este último e desde que a incorporadora opte pelo regime de patrimônio de afetação, no qual é o patrimônio daquele empreendimento. Nos demais casos, a penalidade será de 25% sobre os valores pagos.

***

No caso de loteamentos, a retenção pode chegar a até 10% do valor do contrato. A devolução do restante deve ocorrer em 30 dias após o habite-se quando a incorporação estiver registrada com patrimônio de afetação ou em 180 dias a contar da rescisão do contrato, quando não submetida ao patrimônio de afetação, em ambos os casos em parcela única. O texto sofreu modificações no Senado, por isso passou por nova votação na Câmara. Com o aval dos deputados a matéria segue para sanção presidencial com prazo de 15 dias.

***

Gestão – Um novo conceito de atendimento de pessoas jurídicas e físicas está a disposição no sul do Estado. Aqui em Pelotas, na última terça-feira,  o Grupo Axis realizou o lançamento de suas atividades para clientes, empresários, sócios e sociedade. O Grupo que agora conta com escritórios em Rio Grande e Pelotas apresenta uma das mais completas soluções de mercado para o empresário moderno e dinâmico. O Grupo Axis é a formação de um conjunto de serviços diferenciados que se somam para o atendimento ao cliente diante de sua necessidade. Formado pelos serviços de: Investimentos, Consultoria, Assessoria Jurídica e Contabilidade e com destacados profissionais do mercado. O escritório em Pelotas está localizado no Moinho Office enquanto em Rio Grande será no Porto de Gale.

***

Até a próxima!




Comentários