ESPECIAL DE DOMINGO: GERDAU É A MAIOR EMPRESA DO RS

Gerdau segue sendo o maior grupo da região, com folga

Sicredi se consolida como a quinta maior companhia do Sul – é a líder, em receita líquida, do setor financeiro.

Depois de alterar a marca e virar uma fintech, o Agibank saltou 18 posições e ocupa o 47º lugar

 Companhias gaúchas presentes no ranking superam as companhias de Santa Catarina e do Paraná na soma das receitas e, também, dos patrimônios

Sinais de recuperação da indústria em 2018 oferecem um cenário promissor para o Rio Grande do Sul, estado com maior soma de receitas e patrimônios do Sul

Quem examinar as posições mais privilegiadas do ranking gaúcho sentirá falta de um maior protagonismo da indústria. Gerdau, a maior do estado e da região Sul, e Yara, estão entre as poucas companhias industriais que ocupam os lugares mais seletos da lista. É o reflexo de um ano difícil – em 2017, o PIB rio-grandense cresceu apenas 1%, e se não se saiu pior foi graças à agropecuária. A indústria avançou imperceptíveis 0,2%.

A dependência do agronegócio não impediu, no entanto, que as companhias gaúchas presentes no ranking superassem as companhias de Santa Catarina e do Paraná em dois quesitos importantes – soma das receitas e, também, dos patrimônios. Contribuiu para esta superioridade a participação de segmentos ligados a serviços – e vale destacar, em particular, aqueles ligados especialmente ao ramo financeiro. Duas das cinco maiores empresas gaúchas são instituições financeiras: Sicredi, a vice-líder, só atrás da Gerdau, e o Banrisul, terceiro colocado. No âmbito geral das 500 MAIORES, o Sicredi se consolidou como a quinta maior companhia do Sul – e a líder, em receita líquida, do setor financeiro, considerados os três estados.  O Banrisul, que em 2016 havia ficado em oitavo lugar entre as 500 do Sul, avançou uma posição e fechou  2017 como o sétimo colocado.

Se o cooperativismo de crédito impulsiona o Sicredi, há outros competidores do mercado financeiro aproveitando a boa onda do meio digital. Depois de alterar a marca e virar uma fintech, o Agibank saltou 18 posições e ocupa o 47º lugar. A Getnet, especializada em meios de pagamento, está em 17º lugar, com uma receita líquida de R$ 2 bilhões. Já o Badesul encolheu: a instituição de fomento caiu onze colocações após ter diminuído sua receita em 25%, passando para o 59º lugar.

Se a indústria é a engrenagem que faltou em 2017, deve-se fazer menção honrosa à performance de grupos como Grendene, Beira-Rio e Renner Herrmann, entre outros. E os excelentes resultados colhidos até o terceiro trimestre de 2018 por titãs como Gerdau, Marcopolo e Randon apontam boas perspectivas para o desempenho das gaúchas na próxima edição de 500 MAIORES DO SUL.

Nesta edição de 500 MAIORES DO SUL, o Rio Grande do Sul detém o maior número de empresas. São 196 gaúchas (dez a mais do que na edição passada), ante 183 do Paraná, estado que aparece com duas representantes a menos em relação à listagem anterior. Quem mais perdeu representatividade foi Santa Catarina, que classificou 121 companhias entre as 500, oito a menos que o último ranking. As gaúchas também exibem a maior soma de receitas e, também, de patrimônios. Consequentemente, são líderes também em Valor Ponderado de Grandeza. O VPG, principal critério de classificação desde 1991, quando foi desenvolvido por PwC e AMANHÃ exclusivamente para o ranking.

“Para a PwC Brasil, é uma satisfação fazer parte da história deste estudo. O ranking se consolidou ao longo de seus 28 anos e hoje serve como um referencial para o meio corporativo brasileiro. Um dos principais aspectos das 500 Maiores é o de fazer um panorama dos setores econômicos que estão em evidência, caso do cooperativismo financeiro, um setores que vêm se destacando nos últimos anos. Mas o que fica mais evidente com este novo estudo é o cenário de recuperação que o mercado está demonstrando após o período de crise, uma vez que a grande maioria dos setores apresentou crescimento no exercício de 2017″, aponta Rafael Biedermann Mariante, sócio da PwC Brasil.

Indicadores PR SC RS
Soma dos VPGs* (em R$ bi) 129,2 102,4 139,5
Receita líquida (em R$ bi) 181,1 155,9 200,6
Patrimônio (em R$ bi) 110,5 78,9 116,4
Lucro líquido (em R$ bi) 16,2 7,9 12,7
Prejuízo (em R$ bi) (0,9) (1,6) (1,9)
Número de empresas 183 121 196

(*) VPG: Valor Ponderado de Grandeza. Resulta da soma de patrimônio (com peso de 50%), receita líquida (40%) e resultado líquido do exercício (10%).

Os 10 maiores VPGs* do Rio Grande do Sul

Posição 2017 Grupo/Empresa  VPG
1 Grupo Gerdau     26.680,15
2 Sicredi – Consolidado     11.145,72
3 Banrisul – Banco do Estado do RS        7.614,21
4 Yara Brasil Fertilizantes S/A        5.562,28
5 Lojas Renner S/A        4.662,71
6 Companhia Zaffari Comércio e Indústria        3.040,07
7 Camil Alimentos        2.800,79
8 Grendene S/A        2.575,68
9 Grupo SLC        2.529,64
10 CEEE – Cia. Estadual de Energia Elétrica        2.228,27

(*) VPG: Valor Ponderado de Grandeza. Resulta da soma de patrimônio (com peso de 50%), receita líquida (40%) e resultado líquido do exercício (10%).

As 10 maiores receitas líquidas do Rio Grande do Sul

Pos. Grupo/Empresa  (R$ MILHÕES)  Variação 
2017 2016  %
1 Grupo Gerdau     36.917,62            37.651,67             (1,95)
2 Sicredi – Consolidado     10.840,26            10.703,01                1,28
3 Yara Brasil Fertilizantes S/A     10.076,10            10.627,46             (5,19)
4 Banrisul – Banco do Estado do RS        9.978,49            10.668,42             (6,47)
5 Lojas Renner S/A        7.444,31               6.451,58             15,39
6 Companhia Zaffari Comércio e Indústria        4.906,69               4.716,83                4,03
7 Camil Alimentos        4.662,94               4.947,73             (5,76)
8 CEEE – Cia. Estadual de Energia Elétrica        4.017,56               4.647,71          (13,56)
9 Rodoil Distribuidora de Combustíveis S/A        3.945,40               2.435,77             61,98
10 RGE Sul Distribuidora de Energia S/A        3.370,25               2.853,17             18,12

Os 10 maiores patrimônios líquidos do Rio Grande do Sul

Pos. Grupo/Empresa  (R$ MILHÕES)  Variação 
2017 2016  %
1 Grupo Gerdau     23.893,94              24.274,65            (1,57)
2 Sicredi – Consolidado     13.084,16              11.116,36            17,70
3 Banrisul – Banco do Estado do RS        7.035,03                 6.443,43               9,18
4 Lojas Renner S/A        3.223,45                 2.636,80            22,25
5 Grendene S/A        3.217,61                 2.922,07            10,11
6 Yara Brasil Fertilizantes S/A        3.154,81                 1.961,99            60,80
7 Grupo SLC        2.953,97                 2.858,28               3,35
8 BRDE – Banco Reg. Des. Extr. Sul        2.510,75                 2.441,00               2,86
9 Companhia Zaffari Comércio e Indústria        2.058,92                 1.689,35            21,88
10 Corsan        2.014,00                 1.908,91               5,51

Os 10 maiores lucros líquidos do Rio Grande do Sul

Posição Grupo/Empresa  Lucro Líq.  (R$ Milhões)
1 Sicredi – Consolidado                                            2.675,39
2 Banrisul – Banco do Estado do RS                                            1.053,04
3 Lojas Renner S/A                                                732,68
4 Grendene S/A                                                660,90
5 Companhia Zaffari Comércio e Indústria                                                479,37
6 Getnet Adquirência e Serv. para Meios de Pagamento S/A                                                424,71
7 Corsan                                                382,68
8 Calçados Beira Rio S/A                                                310,21
9 Camil Alimentos                                                250,67
10 Grupo SLC                                                250,01

Método – Para revelar quem é quem entre as empresas do Sul, a Revista AMANHÃ e a PwC construíram um indicador exclusivo: o Valor Ponderado de Grandeza (VPG). O índice reflete, de forma equilibrada, o tamanho e o desempenho das empresas, a partir de uma ponderação que considera os três grandes números do balanço: patrimônio líquido (que tem peso de 50% no cálculo do VPG), receita líquida (40%) e lucro líquido ou prejuízo (10%).

PREMIAÇÃO

A cerimônia de premiação das empresas vencedoras será realizada no dia 20 de novembro na sede da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), em Porto Alegre, a partir das 19h.

O evento contará com a participação dos governadores da região Sul que foram eleitos neste ano: Ratinho Júnior, do Paraná; Comandante Moisés, de Santa Catarina; e Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul.

Informações para adesão: [email protected]  ou 51 3230-3508.




Comentários