COLUNA CAMINHOS DA ZONA SUL – DIÁRIO DA MANHÃ – 23.10.2018

     

    CAMINHOS DA ZONA SUL

    www.caminhosdazonasul.com____________________Paulo Gastal Neto

    Segue a luta – E já se passou um ano quando estivemos pelo menos três vezes em Brasília para acompanhar de perto a indicação e votação das emendas impositivas da bancada do RS na Câmara Federal. Várias lideranças sob a coordenação da Aliança Pelotas, presidida por Gilmar Bazzanella e com a transmissão da R.U. comigo e o jornalista Clayton Rocha, conseguiram que os deputados, naquele momento, indicassem a obra de duplicação como prioridade. Passou o ano e a proposta de Emenda Impositiva de Bancada ao Orçamento Geral da União 2019 para Conclusão da Duplicação da BR 116 deverá estar na pauta novamente.

    ***

    Pressão – É chegada a hora, mais uma vez de a bancada gaúcha na Câmara dos Deputados indicarem os valores para as emendas impositivas para 2019. A duplicação da BR-116, trecho sul, entre Pelotas e Guaíba está novamente na pauta dos parlamentares, em decorrência do atraso das obras. Em face ao cronograma definido pela coordenação da bancada gaúcha a corrida contra o tempo começou no último dia 18. Ali cada parlamentar indicou duas propostas de emenda de bancada ao Orçamento Geral da União de 2019. Para esta terça-feira, 23 está prevista a devolução por parte dos parlamentares à Coordenação da lista de emendas, apontando as 05 emendas escolhidas por cada um e na terça-feira, 30 a vez da reunião da bancada para escolha das emendas e divisão dos valores das emendas impositivas. Pressão, muita pressão em cima dos parlamentares nessa hora!

    ***

    Parto – Finalmente foi anunciado que a dragagem do canal de acesso ao Porto do Rio Grande terá a ordem de execução assinada agora na quinta-feira, 25. A informação foi repassada ao governo do estado pelo ministro dos Transportes, Valter Casimiro. A dragagem é uma das principais reivindicações da Superintendência do Porto do Rio Grande (SUPRG) e do governo do Estado em Brasília. O contrato para a obra foi assinado em 2015, pela extinta Secretaria Especial de Portos da Presidência da República. Depois de uma série de divergências entre o contrato assinado e o entendimento do IBAMA (órgão licenciador), a SUPRG passou a trabalhar num plano de dragagem ambientalmente seguro, que foi entendido e aprovado pelo Instituto. O projeto que será executado compreende uma obra de manutenção do canal de acesso ao porto. Devem ser retirados cerca de 16 milhões de metros cúbicos de sedimentos depositados no canal e que prejudicam a navegação. O plano de dragagem foi aprovado em maio deste ano e, desde então, o projeto aguardava a contratação da empresa de fiscalização e a disponibilidade orçamentária por parte do governo federal.

    ***

    Recorde – Mesmo com os empecilhos impostos pelos órgãos de licenciamento, o Porto do Rio Grande bateu recorde de movimentação no último mês passado. Setembro de 2018 teve a maior movimentação registrada no complexo portuário, segundo o setor de estatística da Superintendência do Porto do Rio Grande, a maior movimentação da história do complexo portuário. Pela primeira vez, um único mês alcança mais de 4,3 milhões de toneladas. Apenas em outros cinco meses foram registrados movimentos de mais de quatro milhões de toneladas. Agosto de 2018 e maio de 2017 alcançaram cada um 4,1 milhões de toneladas. Junho de 2016 marcou 4,2 milhões de toneladas. Em 2015, foi a primeira vez que a marca de quatro milhões foi ultrapassada nos meses de maio (4,2 milhões) e agosto (4 milhões).

    ***

    Baixa – As exportações do RS referentes ao mês de setembro registraram queda na comparação com o mesmo período do ano passado. Os US$ 874 milhões comercializados no período significam um resultado 17,3% menor. Soja e carnes foram os principais responsáveis pelo resultado, conforme apontou o Relatório de Comércio Exterior do Agronegócio do RS, divulgado pelo Sistema Farsul. Apenas o grupo cereais teve resultado positivo, puxado pelo arroz. O complexo soja teve um total de exportações de US$ 470 milhões, uma queda de 13,7%, na comparação com setembro de 2017. Farelo de soja registrou queda de 2% e soja em grãos caiu 17,5%, já o óleo de soja teve um aumento de 174%. No grupo carnes o resultado foi uma retração de 42% no valor exportado, o equivalente a US% 177 milhões. No acumulado do ano, o agronegócio do Rio Grande do Sul exportou US$ 8,957 bilhões, um aumento de 4,5% na comparação com o mesmo período de 2017. O setor foi responsável por 67,3% do valor total exportado pelo estado. O saldo da balança comercial do setor foi de US$ 316 milhões. A China segue como principal destino do produto gaúcho, com 47,9% do total comercializado. Na sequência vem Estados Unidos (3,6%) e Eslovênia (2,9%).

    ***

    Até a próxima!




    Comentários