EXÉRCITO PODERÁ ASSUMIR DOIS TRECHOS DA BR-116

O Exército Brasileiro poderá assumir o término da construção de pelo menos dois trechos da BR-116 entre Guaíba e Pelotas. A confirmação desta hipótese foi feita na última segunda-feira (13), em Brasília, através do chefe de gabinete da Casa Civil, Roberto Severo, em contato telefônico com o responsável pelo Departamento de Engenharia e Construção (DEC) do Exército, Claudio Coscia Moura. O Exército assumiria as obras nos lotes 1 e 2 da BR-116.

A informação surge após trabalho feito através do Estudo de Viabilidade Técnica e Ambiental realizado pelo Exército junto com Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes do Rio Grande do Sul e o Comando Militar Sul. O laudo emitido diz que é perfeitamente viável assumir a construção destes dois importantes lotes entre Guaíba e Barra do Ribeiro.

O próximo passo é a elaboração do Termo Execução Descentralizada (TED) entre ministérios dos Transportes e da Defesa. É necessário que este documento seja assinado até meados de setembro para que em novembro, quando o Exército terminar a obra do Caminho das Neves, os batalhões de Lages e Araquari já tenham condições de assumir os lotes da BR-116 e manter a previsão de fazer toda a obra em três anos.

Faltam ainda em torno de R$ 545 milhões para terminar a obra. Esse novo aporte irá garantir a continuidade dos trabalhos no próximo ano desta rodovia que é essencial para o desenvolvimento do Rio Grande do Sul. São centenas de usuários que estão em risco ao trafegar diariamente no trecho nas atuais condições.

LOTES

São dois lotes que englobam aproximadamente 50 quilômetros, entre Guaíba e Barra do Ribeiro. A construtora responsável pelas obras entrou em recuperação judicial e não conseguiu o seguro garantia para retomar o contrato com o Dnit. Em setembro do ano passado, houve intensa mobilização em prol da ampliação dos recursos para a conclusão da duplicação da BR-116, no trecho entre Guaíba e Pelotas. A programação contou com reuniões com os secretários-executivos dos ministérios dos Transportes, Fernando Fortes Melro Filho, e do Planejamento, Esteves Pedro Colnago Junior.




Comentários