BR-116 SUL: NÚMEROS APRESENTADOS PELA UCPEL SÃO IMPACTANTES

O professor e economista da UCPEL, Ezequiel Megiato, apresentou números impactantes em relação aos prejuízos que o atraso das obras da Br-116 Sul causam ao país e região. Foto: Jô Folha – DP

A Universidade Católica de Pelotas foi  atração principal na agenda de sexta-feira, 20 em Camaquã. A instituição apresentou números impactantes e que mostram o quanto o país perde com o atraso das obras. A explanação foi feita pelo coordenador do Escritório de Desenvolvimento Regional da UCPEL, Ezequiel Megiato. As obras de duplicação da BR-116 já duram quase seis anos, e nenhum trecho deve ser entregue em 2018. Os problemas se acumulam ao longo da rodovia. A pesquisa realizada pela Universidade Católica de Pelotas, aponta que se estivesse pronta, a economia teria incremento de R$ 2 milhões por dia.

No Sul do estado, apenas o viaduto que dá acesso ao município de Turuçu foi concluído e teve o tráfego liberado. No entanto, o avanço ainda é pequeno se levado em consideração que a via é a principal ligação com Porto Alegre.

O painel denominado “Duplicação Urgente” aconteceu nesta sexta-feira (20) em Camaquã, para debater o tema no Teatro do Sesc. Foram apresentados dados econômicos, cronograma da obra e números sobre acidentes.

Cerca de 40 mil veículos trafegam pela rodovia no Sul do estado, conforme a PRF (Foto: Reprodução/RBS TV)

Cerca de 40 mil veículos trafegam pela rodovia no Sul do estado, conforme a PRF (Foto: Reprodução/RBS TV)

Todos os dias, 40 mil veículos passam pela BR-116 entre as cidades de Guaíba, na Região Metropolitana de Porto Alegre, e Pelotas, no Sul do estado, conforme dados da Polícia Rodoviária Federal.

“Seja o custo com o atraso, custo do estrangulamento de produção, com combustível, e custo de oportunidade, que poderia estar circulando por ali em torno de R$ 2 milhões por dia”, afirma o economista Ezequiel Megiato.

Cinco dos nove lotes de obras estão parados. De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit), a empresa responsável pelos lotes um e dois , entre Guaíba e Barra do Ribeiro entrou em processo de recuperação judicial, e não conseguiu o seguro garantia para retomar o contrato e dar andamento à obra.

Diversos trechos das obras na BR-116 estão parados (Foto: Reprodução/RBS TV)

Diversos trechos das obras na BR-116 estão parados (Foto: Reprodução/RBS TV)

Os lotes três, até Tapes, oito e nove, entre Pelotas e São Lourenço do Sul, estão sem obras porque a cobertura asfáltica sofreu reajuste por parte da Petrobras.

O presidente da Associação de Municípios da Zona Sul, Rudinei Garter, afirma que a demora na conclusão das obras tem gerado desperdício de recursos públicos. “A (BR) 116 foi iniciada há muito tempo, e esses trechos que já foram feitos estão, muitas vezes, desperdiçando o material que foi aplicado”.




Comentários