CRESCE MOVIMENTO TAMBÉM NO PORTO DE PELOTAS

porto de pelotas

Jornal do Comercio

Danilo Ucha

O porto de Pelotas, assim como o de Porto Alegre, retorna aos bons tempos de movimentação de carga. Está movimentando em torno de 400 mil toneladas/ano com clinquer, insumos para fertilizantes e arroz. Com o uso pela Celulose Riograndense, chegará a 1,6 milhão de toneladas/ano em 2016 e, logo em seguida, a 2 milhões t/ano, com novos embarques de arroz, cujos estudos estão em andamento. O porto de Porto Alegre, conforme informamos na semana passada, vai superar 1,2 milhão de toneladas em 2015.

Reflexos da crise

Empresas da Zona Sul do Estado — em Rio Grande e Pelotas — estão entrando na Justiça contra a Petrobras e suas contratadas por prejuízos que sofrem com a não concretização de encomendas feitas na construção naval. A Cimec Indústria Metalúrgica Ltda. decidiu acionar a Ecovix, a Petrobras e a holandesa Tupi Guara B.V. por desvio contratual. A Cimec preparou-se para pintar oito cascos de plataformas marítimas para exploração de petróleo e trabalhou só em um. Ficou sem dinheiro para pagar 60 funcionários e fornecedores, segundo o proprietário, Sérgio Brito, informou ao jornal Agora, de Rio Grande.




Comentários

2 comments

  1. MIESCO GDYNSKI

    Sobre os portos de Pelotas e Poa, o porto de Pelotas leva uma enorme vantagem sobre o da capital, por três razões: 1) sua dragagem é muito menos onerosa, pois a sua distância até Rio Grande é bem menor; 2) sua localização é mais favorável por que abrange toda a área da Lagoa Mirim e sua ligação com o Uruguai; 3) Rio Grande pode se beneficiar muito mais com o porto pelotense em virtude dos custos de transporte e seguro serem infinitamente menores.

    • Rafael Lopes

      Correto Miesco se me permite gostaria de complementar seu pensamento. Estar perto de Rio Grande é justamente a maior vantagem do porto de Pelotas porque a pequena distancia de 38 milhas, desde a barra de Rio Grande até Pelotas, onde navega-se em profundidades superiores a 8,5 metros. Com a dragagem destes canais até o porto de Pelotas para esta profundidade teria um baixo custo. Permitindo portanto a operação de navios de até 25 pés de calado (enquanto que para Porto Alegre atualmente é de 17 pés e o máximo com dragagem seria de 19 pés). Como exemplo da importância desta dragagem para o Porto de Pelotas, podendo inclusive servir como auxiliar ao Porto do Rio Grande, com movimentação de volumes e navios menores. É que em levantamento realizado no ano de 2012 o Porto de Rio Grande movimentou cerca de 1milhão de toneladas de arroz, com um total de 83 embarques e destes 11 deixaram Rio Grande com calado inferior a 23 pés, ou seja, poderiam ter operado em Pelotas. E o volume total de arroz a granel que poderia ter sido embarcado em Pelotas se aproxima das 480 mil toneladas, ou seja, quase a metade do embarcado em Rio Grande. Ainda com relação a movimentação de arroz, a cada 45 dias cerca de 1.500 contêineres seguem de Pelotas para embarque em navios de cabotagem em Rio Grande, por via rodoviária. Esta quantidade se traduz em uma demanda de 233 contêineres por semana, que poderiam ser movimentados inicialmente em Pelotas e depois os navios complementariam a carga em Rio Grande.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × um =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.