SDPI assina contrato para projeto de ampliação do Distrito Industrial do Rio Grande

    O Governo do Estado, através da Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do Investimento(SDPI), firmou na última semana contrato com a empresa Bourscheid Engenharia e Meio Ambiente para a elaboração de projeto executivo de melhorias e ampliação do Distrito Industrial do Rio Grande (Dirg). Assinaram a secretária da SDPI em exercício, Mariela Klee, e o presidente da empresa, Aristóteles Bourscheid.

    O objetivo é a complementação da infraestrutura básica de serviços públicos, como sistema viário interno, redes de abastecimento de água e esgoto e rede de energia de alta tensão, de acordo com a nova Licença de Operações emitida pela Fepam. O contrato prevê 210 dias para conclusão e totaliza investimentos de R$ 985.200,00 por parte do Estado. “Faremos um esforço para reduzir esse prazo em pelo menos 30 dias”, destacou Bourscheid.

    “A qualificação do distrito é uma peça-chave para a indústria naval, setor impulsor de desenvolvimento e que, com apoio do governo federal e da Política Industrial do Governo do Estado, cresce cada vez mais”, reforçou Mariela Klee.

    O Distrito Industrial do Rio Grande cresceu cerca de 30% com a incorporação do terreno que abrigava a extinta Zona de Processamento de Exportação (ZPE), o que significará mais lotes disponíveis para empresas. A qualificação da área se dará através das regras e padrões de ocupação, que serão definidas a partir do levantamento topográfico e ambiental previsto no contrato.

    Em setembro, a SDPI contratou a empresa Incorp Consultoria e Assessoria para elaboração de estudos ambientais e projeto de infraestrutura, para a construção da ponte sobre o canal São Simão e acesso secundário ao Dirg. A ponte ligará o distrito industrial à ERS-734.

    As ações integram o Programa Estadual de Desenvolvimento Industrial (Proedi), cujo objetivo é viabilizar a disponibilização de áreas com infraestrutura para a instalação de empresas industriais, de logística ou de serviços correlatos à atividade industrial, de acordo com as prioridades setoriais estabelecidas na Política Industrial do Estado. O Proedi é financiado com recursos do Programa de Apoio à Retomada do Desenvolvimento Econômico e Social do Rio Grande do Sul, com financiamento do BNDES (Proredes BNDES) e do Tesouro do Estado.




    Comentários

    3 comments

    1. jorge martinez

      tive na audiencia publica sobro licenciamento do distrito industrial e vi os maiores absurdos em materia de exigencias por parte da fepam que a cada renovaçao vem transformando o distrito industrial em areas de preservaçao e inviabilisando a expançao agora o mesmo governo que tira vem com proposta de aumentar a area para depois começar a criar mais areas de preservaçoa e muito estranho tudo isso

      • Gilberto Chagas

        Martinez na real a FEPAM não transforma nada, e sim delimita e fiscaliza áreas que, muito antes da implantação do distrito industrial já existiam, as quais possuem um papel importantíssimo não apenas paisagístico, mas como regulador de todo um ecossistema existente aqui na nossa região . Sim, estas áreas precisam ser preservadas como forma de melhor qualidade de vida de todo o meio ambiente, e isto inclui principalmente nós, seres humanos. Sem isto, com certeza teríamos um desiquilíbrio ecológico que traria grandes consequências para todos. Em se tratando ser atividade portuária de alto impacto ao meio ambiente, estas áreas servem como reguladoras, mantenedoras do equilíbrio ecológico, sendo de grande importância.

    2. Rafael

      Importante é ter áreas disponíveis para receber empresas e indústrias. Existe mais de 20 empresas interessadas em se instalar em Rio Grande. Como no noticiário da RBS da semana passada, quatro grandes empresas (2 da China, 1 da Itália e 1 da Argentina) já confirmaram presença para instalação no município, sendo algumas delas indústrias de aerogeradores de energia eólica. Isso tudo é muito bom para a cidade que cada vez mais diversifica sua economia. Em breve teremos ainda expansão do polo energético com o terminal de gás e termelétrica, com certeza a cidade vai revolucionar a matriz energética da região e também do estado. Avante Rio Grande !!!!

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.