RS É O PRIMEIRO ESTADO A RECEBER O MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PARA DISCUTIR PROJETOS DE PEQUENAS HIDRELÉTRICAS

Encontros servem para discutir entraves e experiências em andamento, buscando ampliar investimentos na área – Foto: Divulgação / Sema

O Rio Grande do Sul foi o primeiro Estado a receber a visita de representantes do Ministério de Minas e Energia para discutir investimentos nas pequenas centrais hidrelétricas (PCHs).

As PCHs são empreendimentos com capacidade de geração de energia entre 5 megawatts (MW) e 30 MW. Além de produzir energia, apresentam oportunidade de expansão na atividade econômica onde está instalada. Quanto à preservação do ambiente, estudos comprovaram o beneficiamento e a recuperação da área utilizada.

Participaram do encontro, realizado na segunda-feira (8/7), na sede do BRDE, no Centro de Porto Alegre, o secretário do Meio Ambiente e Infraestrutura, Artur Lemos Júnior, a presidente da Fepam, Marjorie Kauffmann, e o secretário adjunto de Minas e Energia, Hélvio Neves Guerra.

“Esses empreendimentos hidrelétricos com capacidade mais baixa podem trazer investimento importante para o Estado, na ordem de R$ 7 bilhões, mas precisam, antes de tudo, serem liberados do ponto de vista ambiental e hidrológico”, afirma Hélvio.

O país tem 425 PCHs em operação, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Dessas, 50 ficam em território gaúcho, com potência instalada de 564 megawatts (MW).

Atualmente, 23 projetos de geração de energia através de fonte hídrica aguardam licença de instalação no Estado (14 CGHs, 8 PCHs e 1 UHE) e outros 30 esperam licença prévia (21 CGHs e nove PCHs), com capacidade total de 309 MW.

Conforme a presidente da Fepam, em dois anos e meio foram emitidas 14 licenças de instalação para este tipo de empreendimento (PCHs e CGHs), 57% só no primeiro semestre de 2019. Seis usinas estão em construção no Estado.




Comentários