COLUNA CAMINHOS DA ZONA SUL – DIÁRIO DA MANHÃ – 21.05.2019

CAMINHOS DA ZONA SUL

www.caminhosdazonasul.com____________________Paulo Gastal Neto

Positivo – Em recente publicação de balanço, aqui nas páginas do Diário da Manhã, a Universidade Católica de Pelotas revelou um superávit de R$ 2.214.763,00. Uma receita operacional que contrasta com os últimos balancetes da instituição e que coloca a universidade novamente em situação confortável para futuras negociações com o mercado.

***

Rio Grande – A Vanzin inaugurou na semana passada novo terminal no Distrito Industrial de Rio Grande. O empreendimento estava sendo construído desde 2016 e fará a armazenagem de arroz e trigo, principalmente. Leonardo Vanzin, proprietário do empreendimento, destacou que o terminal está equipado com tecnologia de ponta e equipamentos modernos para a logística do produto. A Vanzin é uma empresa riograndina e que investe no município com um empreendimento de porte tanto na área construída quanto na qualidade que será oferecida.

***

Triste – Comemorar o que? Quatrocentos empregos que serão utilizados na remoção de mais de 100 mil toneladas de estruturas que seriam utilizadas na construção das plataformas P-71 e P-72? A estimativa é da Ecovix, administradora do Estaleiro Rio Grande, que aponta que o processo é fundamental para a retomada de atividades no Polo Naval, mas de imediato não há o que vangloriar!

***

Arroz – A Josapar reuniu na semana passada – dias 14,15 e 16 – colaboradores de todo o Brasil. O encontro que debateu temas relacionados diretamente a empresa, suas estratégias e seu futuro aconteceu no Jaques George Tower. Trabalhos coordenados pelo Diretor operacional, vendas e logística da empresa Luis Augusto Barcelos Krause.

***

Carvão – O projeto carboquímico que a gaúcha Copelmi e a norte-americana Air Products pretendem desenvolver na região do Baixo Jacuí do RS pode praticamente dobrar de tamanho. Em uma iniciativa em que as cifras envolvidas já estavam entre as maiores nos últimos anos no estado pode ficar ainda maior. O diretor de novos negócios da Copelmi, Roberto Faria, confirma que o empreendimento está sendo revisado, pois inicialmente, estava previsto o investimento de US$ 1,5 bilhão, para uma produção de cerca de 2,2 milhões de metros cúbicos de gás ao dia a partir do carvão, com um consumo de aproximadamente 3,5 milhões de toneladas do mineral ao ano. Agora, a hipótese que está sendo analisada é de uma planta gaseificadora de 4,5 milhões de metros cúbicos de gás, com investimento de US$ 2,6 bilhões e demanda de 7 milhões de toneladas anuais de carvão.

***

Mais ainda – Somando-se a esses recursos o aporte demandado para a operação da mina Guaíba (situada em Eldorado do Sul e que fornecerá o carvão para o complexo carboquímico) na ordem de R$ 600 milhões. Diante da realidade de mercado e da demanda de gás que se apresenta, aumentar a capacidade do projeto pode ser um fator importante de competitividade. A decisão se haverá ou não a expansão da iniciativa deverá ocorrer até julho. A Copelmi está testando o mercado e um fator que animou a mineradora foi a recente chamada pública aberta por cinco distribuidoras de gás que atuam nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, entre as quais a gaúcha Sulgás, que prevê a aquisição de um volume total de cerca de 10 milhões de metros cúbicos de gás natural ao dia

***

Alvo – A gaúcha TAURUS, maior fabricante de arma do Brasil, está preparada para o crescimento que vem por aí a partir do Decreto Nº 9.785, de 7 de maio de 2019, assinado pelo presidente Bolsonaro. Ancorada num crescimento de 505% em venda de ações no fim do ano passado, o presidente da indústria, Salésio Nuhs, mostra a visão da Companhia para a nova conjuntura. O executivo destaca a preparação da empresa para este momento e os efeitos da nova medida nos negócios. A companhia vem passando por uma forte transformação, motivada pelo processo de reestruturação iniciado pela nova administração com apoio da Galeazzi & Associados, que desde o final de 2017 trabalha em conjunto na melhoria dos processos produtivos, financeiros e comerciais. A Taurus adotou processos eficientes e robustos, atuando de forma intensa na renovação do portfólio. Foram 32 modelos de armas lançados, cujas vendas representaram mais de 60% do faturamento com armas no ano de 2018. Toda a linha de armas leves foi atualizada de acordo com os novos protocolos de desenvolvimento. A vantagem competitiva da Taurus que a diferencia da concorrência é um portfólio de produtos completo, incluindo revólveres, pistolas, armas táticas e armas longas esportivas. Isso qualifica a Taurus para atender todas as demandas de consumidores. A maior procura neste momento está sendo pelo fuzil T4, que é o desejo de muitos caçadores, colecionadores e atiradores. Tanto este, como todos os produtos, serão entregues imediatamente após o cumprimento das exigências legais e administrativas. Este é o diferencial da Taurus: portfólio completo, produtos no estado da arte, qualidade assegurada, assistência técnica local e entrega imediata, por sermos uma empresa brasileira.

***

Até a próxima!




Comentários