ESPECIAL DE DOMINGO: NOVA PONTE DO GUAÍBA – PROGRAMA DE REASSENTAMENTO PARA A CONTINUIDADE DA OBRA, ENTREGA PRIMEIRA CHAVE DE IMÓVEL

O ato de entrega da chave foi realizado pelo Engº Delmar Pellegrini Filho Superintendente Substituto do DNIT/RS, em conjunto como demais engenheiros da Autarquia e Equipe do Consórcio Construtor da Nova Ponte, as 17h de ontem (25), na Sede da Superintendência.

A Superintendência Regional do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Estado RS (DNIT/RS), informa que  na última segunda-feira  em sua Sede em Porto Alegre/RS, foi entregue a primeira chave para  as famílias beneficiárias do Programa de Compra Assistida da Nova Ponte do Guaíba – famílias de Luci Machado Braga e de Itamara de Moura, residentes na Ilha Grande dos Marinheiros, as quais optaram por unir seus benefícios e comprar um único imóvel em condições de abrigar a ambas em Eldorado do Sul/RS. O ato de entrega da chave, foi realizado pelo Engº Delmar Pellegrini Filho Superintendente Substituto do DNIT/RS, em conjunto como demais engenheiros da Autarquia e Equipe do Consórcio Construtor da Nova Ponte.

A autarquia ressalta que o programa  de compra assistida segue em andamento  com o seguinte detalhamento:

  • ​​23 Escrituras Públicas de Compra e Venda assinadas;
  • 29 cadastros aguardando análise do Tabelionato e marcação de data para assinatura das Escrituras;
  • 30 processos em fase de pagamento de ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis –Tributo Municipal), para fins de transmissão do imóvel;
  • Aproximadamente 100 laudos de vistoria e avaliação concluídos, em fase de aprovação.
Algumas famílias ainda seguem em busca de seu imóvel, tendo em vista o prazo estabelecido em audiência para indicação, ao DNIT.
  • Andamento das obras da NovaPontedoGuaíba:
A evoluçãodas obras da nova Ponte do Guaíba, em Porto Alegre, chama atenção também pela proximidade com a região das ilhas. O processo de realocação das famílias tem sido acompanhado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Estado RS (DNIT/RS), Justiça Federal, Defensoria Pública da União (DPU/RS) e Ministério Público Federal – MPF. A maioria das famílias está optando pela solução de reassentamento  via compra assistida.
Nessa modalidade as famílias  podem adquirir um imóvel de seu interesse em todo o Estado do RS. A previsão é de que o processo (compra assistida) esteja concluído ainda no primeiro semestre desse ano (2019). Até o momento já foram realizados três mutirões judiciais de conciliação, entre outubro e dezembro de 2018. Nessas audiências 301 famílias formalizaram acordos aderindo a compra assistida. Entre 18 e 22 de março 2019, está marcado o quarto mutirão de conciliação com mais 115 processos que ocorreram na  26ª Vara da Justiça Federal em Porto Alegre.  A autarquia salienta que ao todo, já foram investidos cerca de R$ 557 milhões de reias no empreendimento. Atualmente  a nova ponte está com cerca de 82% concluída.
A Autarquia reforça que participam das Audiências de Conciliação equipes dos seguintes órgãos: Justiça Federal – JF, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no RS – DNIT/RS, Advocacia Geral da União – AGU, Defensoria Pública da União – DPU e Ministério Público Federal – MPF. O DNIT/RS salienta que  a  construção de uma nova ponte sobre o Guaíba atende um anseio antigo dos gaúchos. Esta segunda travessia vai ampliar a interligação da Região Metropolitana de Porto Alegre com o sul do Estado proporcionando uma conexão sobre o Delta do Rio Jacuí sem as interrupções que ocorrem diariamente na ponte existente.
O empreendimento terá uma extensão de 12,3 quilômetros com um total de cinco quilômetros de trecho em aterro e 7,3 quilômetros em obras de artes especiais (ponte sobre os canais navegáveis, elevada, viadutos e alargamento da ponte Saco da Alemôa). Com 28 metros de largura nos vãos principais, a pista contará com duas faixas de rolamento com acostamento e refúgio central. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) prevê que 50 mil veículos utilizem a nova ponte diariamente.
O desafio desta construção é o fato da obra atravessar uma Unidade de Conservação Ambiental, o Parque Estadual Delta do Jacuí, e necessitar de atenção especial durante a sua execução. Os programas ambientais previstos no processo de licenciamento ambiental nortearão as ações de mitigação, controle e monitoramento para que seja possível assegurar a manutenção da qualidade ambiental das áreas impactadas.
A nova travessia do Guaíba esta sendo construída sobre a água a partir de peças pré-moldadas que são fabricadas em canteiros industriais e montadas no local definitivo. A estrutura em elevada permitirá que a fauna e a flora nativas possam manter o fluxo gênico entre as porções cortadas pela ponte. A obra teve inicio em outubro de 2014.
OBSERVAÇÕES:
 
– Quantos profissionais estão envolvidos diretamente com a obra atualmente:  cerca 1.200 colaboradores
– Previsão de conclusão da obra: Segundo semestre de 2019
– Valor investido até agora: Cerca de 557 milhões de reais
– Previsão total de investimento: Cerca de 757 milhões de reais 
– Estágio atual de conclusão: Cerca de 82% da obra concluída
– Extensão da obra, de uma ponta a outra: 5,1 km
– Extensão total, levando em conta acessos, elevadas e etc: 12,3 km
– Quantidade total de pilares, de uma ponta a outra: 254 pilares
– Quantos vãos principais: 2 vãos principais de navegação
– Vão mais largo terá quantos metros (e serão quantos vãos com esta mesma largura do vão mais largo): 3 vãos de 140 metros
– Vão mais estreito terá quantos metros: 12,34 metros
– Vão mais alto terá quantos metros (da água até a parte de baixo da ponte) e serão quantos vãos com esta altura: 40 metros. Serão 3 vãos com esta altura
– Nos vãos mais altos e largos, qual é a profundidade do Guaíba: 9,5 metros
– Qual será a altura máxima da ponte (da água até o ponto mais alto dela):  53 metros
– Quantas toneladas de concreto terão sido utilizadas ao fim da construção (estimativa, claro): aproximadamente 140.000 m³ ou 357.000 toneladas
– Qual terá sido a quantidade de aço (ou ferro) utilizada ao fim da construção (estimativa): 19.000 toneladas de aço CA-50 e 2.500 toneladas de aço CP-190 = 21.500 toneladas
– Onde são fabricadas as peças pré-moldadas (nome e endereço das empresas): Fabricação própria do Consórcio Ponte do Guaíba. Estas peças são fabricadas em dois canteiros industriais (ambos localizados em Canoas/RS).
– Como chegam até o canteiro de obras: Através de transporte terrestre (carretas, linhas de eixo e caminhões) e aquático (balsas e flutuantes)
– Serão quantas faixas de rolamento em cada sentido: Duas faixas em cada sentido
– Qual será a largura de cada uma das faixas: 3,60 metros
– Quantos metros de acostamento: 3,00 metros
– Quantos metros de canteiro central: 1,20 metros (faixa de segurança nas duas laterais)
– O que dividirá as duas pistas. Guard-rails? Serão barreiras duplas em concreto (barreira New Jersey Dupla).



Comentários