DRAGAGEM DO PORTO DE RIO GRANDE EM DEBATE ONTEM EM BRASÍLIA

Reunião em Brasília, na tarde desta quinta-feira, analisou o futuro da dragagem no porto do Rio Grande. Técnicos do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) e do porto tiveram encontro na sede do instituto para avaliar o impacto da obra, que está parada desde o dia 17 de dezembro por orientação do Ibama e depois por liminar concedida pela Justiça Federal no Rio Grande do Sul. No despacho, o juiz Adérito Martins Nogueira Júnior, da 1ª Vara da Justiça Federal de Rio Grande, determinou que as atividades não poderão ser retomadas até que o Ibama se posicione sobre “as circunstâncias do episódio de deposição de lama”, desde o começo de dezembro.

Até as 19h, Ibama e porto não havia se manifestado sobre a reunião. O impasse é gerado pelo surgimento de lama na água, que afetou a praia do Cassino, que tem grande movimento nesta época do ano, e causou repercussão na comunidade. O possível impacto da dragagem, que tem recursos federais e é necessária para ampliar as condições de navegação de cargas, gerou ação civil do Ministério Público Federal (MPF). De acordo com nota técnica do Sistema de Monitoramento da Costa Brasileira (SIMCosta/Furg), a deposição da lama foi causada pela ação de um ciclone extratropical, mas a origem precisa do sedimento e a eventual influência da dragagem, no entanto, seguem sob investigação.

Sobre a paralisação da dragagem, o secretário dos Transportes, Juvir Costella, diz que, nos próximos dias, se encontrará com o diretor-superintendente do porto do Rio Grande, Janir Branco, para debater qual a ação que precisará ser tomada para dar continuidade a esse trabalho. Indagado se Branco, que também é filiado ao MDB, teria continuidade no cargo de diretor-superintendente do porto, o secretário afirmou que é uma questão que não está determinada. “Estamos trabalhando com a equipe que agora está nas funções, mas, com o novo governo, certamente haverá mudanças, porém não se tem definido de onde haverá”, salienta.




Comentários