PELOTAS PARQUE TECNOLÓGICO DEFINE ESTRATÉGIAS PARA 2019

Buscar parcerias e intensificar o processo de autonomia do Pelotas Parque são pautas previstas para o trabalho que inicia no próximo mês.

Desde 2016 o caminho do Pelotas Parque Tecnológico tem sido de trabalho, parcerias e desenvolvimento. Em 2018 o parque obteve importantes conquistas, solidificando sua imagem para o restante do Rio Grande do Sul como um ambiente que acolhe o diferente, fomenta ações empreendedoras e abraça iniciativas de inovação e tecnologia. Para 2019, o objetivo é colocar efetivamente em funcionamento o Plano de Ação do parque, projetando cada vez mais a autonomia e amadurecimento do Pelotas Parque Tecnológico.

O Parque Tecnológico viveu a finalização das obras em 2016, passou pelo processo de start em 2017, com essencial apoio da Prefeitura Municipal de Pelotas, dando início as atividades através da implementação da Tríplice Hélice (Governo, Universidades e Empresas). Em 2018, o Pelotas Parque viveu um trabalho fortemente operacional, ação que ajudou a definir os rumos para o próximo ano: “Agora vem a parte do trabalho sistêmico, de consolidar o parque como um ecossistema de inovação na cidade”, aponta a Diretora Executiva do Pelotas Parque Tecnológico, Rosani Ribeiro.

“Essa perspectiva de crescimento não tinha como ser diferente”, aponta Rosani, que destaca ainda que as realizações do Pelotas Parque aconteceram nos momentos certos. Colocar efetivamente em funcionamento o Plano de Ação do Parque é um dos rumos escolhidos para 2019: fomentar o empreendedorismo, fortalecer as startups e envolver as empresas de inovação, são alguns dos itens destacados no plano, que integra o processo de trabalho sistêmico. “Queremos, também, envolver cada vez mais as instituições de ensino e pesquisa, trazer os alunos, as pessoas, e os empresários, para que conheçam nosso parque tecnológico, para que façam negócios aqui”, completa.

A Diretora Executiva aponta que, no próximo ano, seguirá buscando mais parcerias e mais alternativas para que o Parque seja um vetor de apoio para as empresas que crescem e desejam seguir seus rumos em outro ambiente físico. “Nosso papel agora é de que podemos estar limitados em área construída, mas não estaremos limitados em buscar oportunidades para essas empresas. É inevitável a construção de parcerias, que devem cada vez mais ser ampliadas, procurando outras alternativas, que não sejam só o espaço físico do Pelotas Parque”, destaca.

O foco para o ano que está chegando é fortalecer parcerias, tanto com o mercado de inovação de empresas residentes no prédio do parque, quanto com empresas não residentes, que serão convidadas a integrar o ecossistema em que o Pelotas Parque está inserido. Outro viés de trabalho para 2019 é fomentar o empreendedorismo e inovação nas bases, dando continuidade ao trabalho com crianças e jovens das escolas públicas. “Mostrar um pouco do funcionamento, do que tem e quem são as empresas instaladas aqui, e de que forma esses alunos podem estar inseridos no ecossistema de inovação. Queremos falar mais sobre inovação nas escolas, para que o Parque se torne uma referência para os alunos”, indica a Diretora.

“O grande destaque de 2018 foi o fortalecimento e reconhecimento da imagem do Parque, tanto para nossa comunidade, como para outras regiões”, informa Rosani Ribeiro. Segundo ela, levar o parque para fora de Pelotas foi essencial para conquistar a consolidação. “Inserimos o parque no quadro social da Rede Gaúcha de Ambientes de Inovação (Reginp), e levamos para várias instituições do estado. Encerramos 2018 positivamente, dando ao Pelotas Parque reconhecimento, dentro e fora da Região Sul”, acrescenta.

“Quando chegam ao Pelotas Parque, os visitantes percebem o quanto a cidade tem se conectado com as propostas de TI, de saúde, de indústria criativa, e tantos outros temas. Dentro do Pelotas Parque Tecnológico é possível ver tudo isso acontecer”, encerra Rosani. Além do trabalho dinâmico das incubadoras Conectar, da UFPel, e Ciemsul, da UCPel, que desenvolvem diversas atividades na estrutura, o Pelotas Parque vai receber, em breve, a instalação da Senatec, incubadora vinculada a Faculdade Senac.

2018 em números

O ano de 2018 para o Pelotas Parque Tecnológico foi de conquistas e realizações importantes, que são perceptíveis numericamente. Ao todo, foram 118 reuniões com instituições de ensino, empresas, entidades de classe, aceleradoras de empresas, coworking; 150 eventos realizados nas instalações do Pelotas Parque, com os parceiros; 32 apresentações do parque e tours pela estrutura; 10 ações de desenvolvimento e suporte à formação do Projeto de Educação Empreendedora, na rede municipal de ensino; e 13 visitas de empresas e empreendedores interessados em se instalar no prédio. Quando se fala em comunicação, são destaques os números relacionados às redes sociais e ao site do Pelotas Parque: no Facebook, foram atingidas 2.820 curtidas, e no site foram conquistados quase 60 mil acessos.

Muitos eventos tomaram conta do espaço físico do Parque Tecnológico, dando vida às paredes do prédio, e realizando ações de transformação e desenvolvimento pessoal para os envolvidos. Entre eles, vale destacar o “Laboratório de Criatividade e Inovação para a educação – Aprendizagem Criativa”, “Scratch Day”, “Robopel-206”, a chegada e instalação da Incubadora Ciemsul – UCPel, o convênio estabelecido com o Vale do Sulício, a visita da UTEC – Universidade Tecnológica de Rivera/UY, a adesão do Pelotas Parque ao quadro social da Rede Gaúcha de Ambientes de Inovação (Reginp). Também o recorde de público do Espaço Ciência – V Desafio Mural G-Biotec, que levou ao parque mais de 500 visitantes em uma única tarde.

São destaque ainda eventos como o “Future Tech: Eventos, tendências e experiências globais, by SEPRORGS”, o “ToolBox 360º”, o “Workshop Agro Inovação”, a primeira edição do “Startup Weekend Pelotas”, a realização do painel “Marcas na Imprensa: quais os limites desse relacionamento?”, evento ligado à programação do SWP Summit #8, que retornou ao ambiente do Parque Tecnológico, e a recente visita de empreendedores ligados ao APL Mecânico.




Comentários