ESPECIAL DE DOMINGO: BR-116 AMEAÇADA MAIS UMA VEZ. PONTE DOIS DO GUAÍBA É PRIORIDADE E RECURSOS PODERÃO SER REALOCADOS PARA A FREEWAY

Estimativa é inaugurar a nova travessia até o final deste ano

O governo federal quer acelerar as obras da nova ponte do Guaíba para garantir entrega até dezembro deste ano. Em reunião, na manhã da última sexta-feira, na sede do Dnit, em Porto Alegre, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que o cronograma apresentado pelos responsáveis pela execução da obra, não satisfaz. A previsão da empresa era entregar a nova travessia até 30 de novembro.

“Queremos que esse prazo seja antecedido em no mínimo 30 dias para garantir a inauguração neste ano”, afirmou o ministro. Isso porque depois de pronta, ainda são necessárias algumas intervenções, como pintura e sinalização. Antes do encontro, o ministro visitou as obras e disse estar satisfeito com o andamento.

O encontro também serviu para discutir outro impasse relacionado ao projeto: o reassentamento das famílias da Ilha Grande dos Marinheiros, por onde a ponte passará. Segundo Marun, ficou definida a proposta de remoção de parte das famílias. Ao todo, das mais de mil famílias que residem na região atualmente, a intenção é retirar cerca de 120, para assim viabilizar a circulação dos veículos.

A sugestão do governo federal é o método de “compra assistida”. Neste modelo, as famílias fazem a aquisição de residências, levando em consideração patamares de valores. Esses detalhes (valor do imóvel e locais) ainda estão em análise, como explicou o superintendente regional do Dnit, Allan Magalhães Machado, que também participou da reunião. Segundo ele, haverá em agosto uma audiência pública com a comunidade e representantes da Justiça e dos demais órgãos envolvidos, para tratar e detalhar o assunto.

TIRAR DE OUTRAS OBRAS PARA COLOCAR NA FREE WAY

A negociação entre o governo federal, por meio do Ministério dos Transportes, e estadual, pela Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), sobre a concessão temporária da freeway deverá ser definida ao longo da próxima semana. Mas caso não haja uma solução, o Dnit deverá retirar recursos de outros projetos no Estado para realocar nos serviços de manutenção da rodovia. Segundo o diretor executivo do DNIT, Halpher Luiggi Mônico Rosa, que esteve na Capital nesta sexta-feira, isso será necessário pela limitação de recursos. As obras da BR-116 – trecho sul – não foi mencionada, mas é bem possível de que ela sofra cortes em detrimento da BR-101 – Free Way.

“Nosso esforço é não ter que parar recursos que estão indo para obras em andamento no Estado para manter a freeway. É uma situação dificílima de restrição orçamentária que estamos discutindo”, afirmou.

Outra possibilidade, porém que ainda depende de outras negociações, é repassar recursos de outros estados. “Mas neste contexto, também trabalhamos para a possibilidade da EGR assumir, o que ainda está em negociação e que vai se alongar ainda por mais alguns dias”, disse.

O assunto também chegou a ser tratado pelo ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun. “Sou um defensor da EGR. É a única possível num contrato emergencial. Se tivermos que assumir esse serviço, ela passa a ser uma rodovia normal. E vamos ter que usar nessa manutenção um recurso que não temos. Torço que as negociações cheguem a um termo”, afirmou Marun.

Ontem, sábado, o ministro e o superintendente regional do Dnit, Allan Magalhães Machado, percorreram percorrer a rodovia.




Comentários