DUPLICAÇÃO DO CONTORNO DE PELOTAS TEM VERBA DESTINADA DE R$ 11 MILHÕES

    O Governo Federal liberou na semana passada o orçamento para empenho de R$ 11 milhões para a continuidade da duplicação do Contorno de Pelotas, trecho de 23,7 quilômetros que contempla a BR-116 e BR-392. O valor soma-se aos 600 mil restantes do ano passado e está previsto para ser aplicado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) em pontos identificados como prioritários. Com início em 2013, as obras no Contorno de Pelotas estão 88,5% concluídas.

    Dois pontos que fazem intersecção com a BR-392 serão beneficiados com este recurso: os viadutos da Avenida Viscondessa da Graça (km 61,900) e da Avenida Duque de Caxias (km 66,800). O primeiro terá condições de ser totalmente concluído até dezembro, incluindo pistas do entorno. Já o segundo terá uma das pistas finalizada e liberada ao tráfego, visando melhorar o fluxo de veículos que se deslocam à Universidade Federal de Pelotas (UFPel). A conclusão total deste viaduto depende de desapropriação.

    Serão beneficiados com este recurso: os viadutos da Avenida Viscondessa da Graça (km 61,900) e da Avenida Duque de Caxias (km 66,800).

    Serão beneficiados com este recurso: os viadutos da Avenida Viscondessa da Graça (km 61,900) e da Avenida Duque de Caxias (km 66,800).

    Outro ponto que avança no Contorno de Pelotas é o trecho onde estava localizado o antigo posto de fiscalização da Polícia Rodoviária Federal (PRF), km 516,1 da BR-116, próximo ao acesso a Pelotas pela Avenida Fernando Osório. No fim do ano passado, o DNIT reestabeleceu o contrato com a construtora e no começo deste ano, com a desocupação do prédio, começaram os serviços de demolição e construção da nova pista. Este é o único trecho do lote 1-A que ainda não está duplicado.

    Com a primeira liberação de trecho ao tráfego ocorrida em março de 2015, o Contorno de Pelotas opera com, aproximadamente, 16 quilômetros de pista dupla, incluindo duas pontes e seis viadutos. Para a conclusão total do empreendimento são necessários ainda R$ 60 milhões.




    Comentários