COLUNA CAMINHOS DA ZONA SUL – DIÁRIO DA MANHÃ – 09.01.2018

CAMINHOS DA ZONA SUL

www.caminhosdazonasul.com____________________Paulo Gastal Neto

Aniversário – O projeto liderado pela CMPC Celulose Riograndense e a Sagres Agenciamentos Marítimos, fechou o ano de 2017 de maneira super positiva: foram 339 barcaças e 662 mil toneladas de madeiras transportadas pelas águas gaúchas. O Terminal de Toras do Porto de Pelotas (TPP) encerrou o ano passado com dados que estimulam a ampliação do fomento à hidrovia gaúcha. Ao longo dos 12 meses de operações a movimentação atingiu um total de 662 mil toneladas de madeira transportadas através das águas. Durante este período as 339 barcaças de toras de madeira saíram do Porto de Pelotas com destino à fábrica da CMPC Celulose Riograndense, em Guaíba. Os últimos números já dão conta de que cerca de 95% da celulose produzida em Guaíba está sendo movimentada e exportada pela hidrovia. “O projeto do TPP criou uma forma inteligente de aproveitar o frete de retorno das barcaças vindas do Porto de Rio Grande”, destaca o Gerente da Sagres em Pelotas, Bruno Carvalho.

***

Cadeia – A matéria-prima da celulose é proveniente de diversas bases florestais, entre elas 14 municípios localizados na região sul do estado.  Com está geografia, a iniciativa de utilizar a hidrovia também se confirma como uma importante alternativa para desafogar o saturado tráfego da BR-116 trecho entre Pelotas e Porto Alegre. A partir do incremento hidroviário a madeira que chegaria à Guaíba de caminhão, vai pelas águas. Só em 2017 foram 47.460 viagens a menos na BR 116, considerando que cada barcaça transporta a carga equivalente a 70 caminhões carregados de madeira, em viagens de ida e volta. Os bons índices não param por aí e são frutos da otimização do processo operacional realizado pela Sagres Agenciamentos Marítimos. De acordo com Bruno Carvalho em outubro de 2016, quando iniciou o projeto, o tempo de carregamento de uma barcaça era em torno de 33 horas. “Hoje temos uma média de 9 horas, o que revela a clara evolução do processo”, informa. Ele ressalta ainda que todas as etapas tem total foco na segurança e são baseadas no conceito de sustentabilidade, com amplo espectro nos seus aspectos econômicos e ambientais.

***

PUBLICIDADE

Para evitar alagamentos, o Sanep tinha como meta realizar a limpeza de 40.000 metros de canais de drenagem. Mas superou esse número e atingiu 80.000 metros, em uma ação que proporcionou um bom funcionamento do sistema de escoamento, durante a estação mais chuvosa do ano. Só que o trabalho ainda não terminou, afinal é preciso continuar esse esforço para a retirada de lama, lixo e entulhos que diminuem a capacidade de vazão das águas pluviais.

É O SANEP FAZENDO O MELHOR PARA VOCÊ E PARA A NOSSA CIDADE!

***

Histórico – Após décadas de estagnação e subutilização o Porto de Pelotas foi totalmente revitalizado. O novo cenário surgiu a partir do projeto do Terminal de Toras (TPP) e contribuiu consideravelmente para que a movimentação de cargas triplicasse. Pelotas tem o primeiro porto gaúcho licenciado ambientalmente pela FEPAM e segue implantando os necessários programas de ordem ambiental. “Hoje temos um Porto fortalecido e consequentemente apto para ampliar cada vez mais a sua utilização”, finalizou Bruno Carvalho.

***

Ano Novo A partir de julho deste 2018 as micro e pequenas empresas devem aderir ao eSocial, sistema de registro elaborado pelo Governo Federal, para facilitar a administração de informações relativas aos trabalhadores. Com isso, haverá uma maior transparência no repasse dos dados para a administração federal, que resultará na redução dos índices de sonegação.  O gestor de Soluções do SEBRAE/RS, Saulo Roberto Henrich Morschel, explica que a entidade tem se esforçado para orientar os empreendedores sobre os impactos do eSocial.  A partir do início da obrigatoriedade e da efetiva prestação das informações pelas empresas, será possível perceber os efeitos da desburocratização.  O SEBRAE informa que a implantação do eSocial viabilizará garantia aos direitos previdenciários e trabalhistas, racionalizará e simplificará o cumprimento de obrigações. Dessa forma, eliminará a redundância nas informações prestadas pelas pessoas físicas e jurídicas, e aprimorará a qualidade das informações das relações de trabalho, previdenciárias e tributárias.  O projeto eSocial é uma ação conjunta dos seguintes órgãos e entidades do governo federal: Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), Caixa Econômica Federal, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e Ministério do Trabalho (MTB).

***

Até a próxima!

Comentários