COLUNA CAMINHOS DA ZONA SUL – DIÁRIO DA MANHÃ – 24.10.2017

    CAMINHOS DA ZONA SUL

    www.caminhosdazonasul.com.br_________________Paulo Gastal Neto

    BR – A Zona Sul do estado venceu um ‘grande clássico’ na última terça-feira em Brasília. Numa das raras vezes em que região e líderes se uniram em torno de uma causa, o grupo coordenado por Aliança Pelotas e Aliança Rio Grande não deu chance ao azar. Foi ‘faca no peito’ de cada deputado do Rio Grande do Sul, mas com argumentos irrefutáveis. A bancada na Câmara, engordada com os votos e apoio dos três senadores do RS, foi responsável por garantir, pelo menos, mais R$ 81 milhões, para 2018, em favor da BR-116, através de emenda impositiva. Mesmo com o deputado Giovanni Cherinni fazendo de tudo para que a proposta da região fosse derrubada, o bom senso venceu. Cherinni tem propriedade em São Lourenço do Sul.

    ***

    O jogo – Ao todo, 30 parlamentares votaram. Cada um elencou duas prioridades entre 17 propostas. A duplicação da BR-116 ficou em primeiro lugar, com 20 votos. A construção da ponte do Rio Uruguai recebeu 16 votos. Outros três projetos mais votados, mas que não ficaram entre as prioridades, previam investimentos no Grupo Hospitalar Conceição, no Hospital São Lucas da PUCRS, ambos em Porto Alegre, e nos institutos federais de educação (IFFarroupilha, IFRS e IF Sul-Riograndense).

    ***

    Os dois vencedores – R$ 81 milhões para cada um dos dois projetos escolhidos. Iniciada em 2012, a duplicação da BR-116 tinha previsão de ser finalizada em 2015, mas segue até hoje em ritmo lento e sem prazo para acabar. A bancada estimava a destinação de até R$ 150 milhões para a obra, mas a expectativa foi frustrada. A verba total do grupo será dividida em dois, sobrando R$ 81 milhões à rodovia. A tentativa, agora, será ampliar a parcela do governo federal, que atualmente reserva R$ 65 milhões para a BR-116 e o contorno de Pelotas. – Entendemos que o governo já está sensibilizado, mas vamos seguir trabalhando para aumentar os recursos da União. O objetivo é garantir entre R$ 250 milhões e R$ 300 milhões, daí, estaríamos perto de 50% do que falta para a conclusão – explicou o deputado Affonso Hamm (PP), líder da frente nacional pela duplicação e que foi o maior articulador do processo. Foi figura decisiva nos bastidores em favor da BR-116.

    ***

    O segundo – Os outros R$ 81 milhões serão destinados a travessia em Porto Xavier que ainda não tem projeto. A obra ganhou o apoio dos parlamentares diante da articulação de representantes da região das Missões e da agilidade do deputado Darcísio Perondi, do PMDB. Perondi é próximo ao presidente Michel Temer e fez valer sua influência. Segundo ele – ‘a ponte é indispensável para ampliar o transporte de cargas e passageiros no Mercosul’. Há, contudo, um pouco de receio em relação a este projeto, pois os próprios parlamentares reconheceram o risco do recurso de R$ 81 milhões não ser integralmente aplicados na construção da travessia em 2018, já que a obra ainda está em fase de estudos. Neste caso, a verba poderá ser remanejada para outras prioridades da bancada. Atenção Alianças Pelotas e Rio Grande!

    ***

    Senado – Os dois senadores que puxaram a causa foram Ana Amélia Lemos e Lasier Martins. Visivelmente imbuído de justificar seu equívoco do ano passado, quando mobilizou a bancada para indicar R$ 100 milhões para a ponte dois do Guaíba, Lasier era voz corrente no plenário da comissão, agora em favor da BR-116. Por outro lado, sempre segura e com posição firme, a senadora Ana Amélia foi chave no convencimento de seus pares. É conhecedora dos bastidores do parlamento e tem influência positiva nas causas do Rio Grande do Sul. O senador Paulo Paim justificou sua ausência do processo.

    ***

    Interesse – Não menos interessado na causa, o deputado José Stédile (PSB/RS) comemorou a definição da emenda em favor da duplicação da BR-116 entre Guaíba e Pelotas como uma das emendas impositivas da bancada gaúcha para 2018.  Ele é vice-presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Conclusão da rodovia e há algum tempo acompanha esta que é uma das principais reivindicações da região sul do estado. – “Não há pior obra do que a iniciada e inacabada. O Governo brasileiro tem esta dívida com o povo de várias cidades que ficam na região sul do estado”, disse durante a votação. Stédile considera a duplicação urgente e necessária para salvar vidas e trazer o progresso para região.

    ***

    Até a próxima!




    Comentários