ESPECIAL DE DOMINGO: DISPUTA AO PALÁCIO PIRATINI LARGA COM 8 PRÉ-CANDIDATOS

    Articulação dos pré-candidatos por alianças é forte desde o ano passado ARTE DE THIAGO MACHADO SOBRE FOTOS DE GILMAR LUÍS/MARCELO G. RIBEIRO/CLAITON DORNELLES/LUIZA PRADO/FREDY VIEIRA E MARCO QUINTANA/JC – Jornal do Comércio

    JORNAL DO COMERCIO – Marcus Meneghetti

    O primeiro turno das eleições deste ano acontece em 7 de outubro. A seis meses da votação, o Rio Grande do Sul já tem oito pré-candidatos para disputar a sucessão ao governo do Estado nas eleições de 2018. Seis desses nomes foram indicados em convenções ou encontros partidários no final do ano passado ou no início deste ano: Abgail Pereira (PCdoB), Jairo Jorge (PDT), Luis Carlos Heinze (PP), Mateus Bandeira (Novo), Miguel Rossetto (PT) e Roberto Robaina (PSOL). Os outros dois ainda não foram oficializados como pré-candidatos, embora sejam apontados pelos correligionários para a disputa ao Piratini: Eduardo Leite, presidente estadual do PSDB, e o governador José Ivo Sartori (PMDB), que deve concorrer à reeleição.

    Outra peculiaridade é que sete dos oito partidos já têm também candidato ao Planalto. A exceção é o PP, que ainda não definiu com qual palanque nacional irá se aliar. A articulação dos pré-candidatos por alianças é forte desde o ano passado. Alguns se dedicam à campanha há alguns meses, viajando pelo Estado. Mas o registro oficial das candidaturas pode ser feito até 15 de agosto.

    QUEM SÃO OS CANDIDATOS

    ROBERTO ROBAINA (PSOL)

    O vereador de Porto Alegre Roberto Robaina foi escolhido como pré-candidato do PSOL ao governo do Estado em evento na Capital realizado em 17 de março. Sua candidatura oferece palanque no Rio Grande do Sul ao pré-candidato a presidente da República pelo PSOL, Guilherme Boulos. A pré-candidatura de Boulos – líder nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) – foi oficializada em 3 de março, dois dias antes de ele se filiar à legenda. A escolha do nome de Boulos para a disputa do Palácio do Planalto foi elogiada por Lula. Robaina é vereador em Porto Alegre e foi candidato ao governo do Estado pelo PSOL na eleição passada, em 2014, quando ficou em 5º lugar na disputa.

    ABGAIL PEREIRA (PCdoB)

    O diretório estadual do PCdoB lançou Abgail Pereira como pré-candidata ao governo do Estado em 22 de outubro de 2017, duas semanas antes de o comitê central do partido lançar a pré-candidatura da deputada estadual Manuela d’Ávila à presidência da República. Desde a redemocratização, é a primeira vez que o PCdoB lança candidato próprio ao Planalto e ao Piratini. A legenda vinha sendo a principal aliada do PT nas eleições majoritárias. O presidente estadual dos comunistas, Adalberto Frasson, acredita que “a candidatura da Manuela, uma vez consolidada, pode unificar os aliados no Estado”. Abgail foi candidata a vice-governadora em 2014 e a senadora em 2010.

    MIGUEL ROSSETO (PT)

    O PT oficializou a pré-candidatura ao Palácio Piratini do ex-ministro do Desenvolvimento Agrário do governo Dilma Rousseff (PT), Miguel Rossetto, em uma reunião do diretório estadual do partido, em 9 de dezembro de 2017. Rossetto foi vice-governador de Olívio Dutra (PT, 1999-2002).Os petistas acreditam que a candidatura de Rossetto vai decolar com a participação do pré-candidato à presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT) – que aparece em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, apesar de ter sido condenado em 2ª instância na Lava Jato. Caso Lula seja impedido de concorrer, o PT pretende lançar outro nome, o que garantiria palanque nacional a Rossetto.

    MATEUS BANDEIRA (NOVO)

    No 3º Encontro Nacional do Partido Novo, em 18 de novembro de 2017, em São Paulo, a sigla lançou o ex-presidente do Banrisul Mateus Bandeira como pré-candidato ao governo do Estado. Na mesma ocasião, definiu a pré-candidatura à presidência da República do empresário carioca João Amoêdo. O Partido Novo não deve fazer coligações, por conta de uma decisão do diretório nacional. Com isso, Bandeira deve disputar o Piratini com chapa pura. O Novo aposta nos perfis técnicos de seus quadros. Seus candidatos devem se apresentar como novidades na política, embora Bandeira tenha sido secretário do Planejamento na gestão Yeda Crusius (PSDB, 2007-2010).

    LUIS CARLOS HEINZE (PP)

    Depois de disputar prévias no PP com o advogado Antônio Weck, o deputado federal Luis Carlos Heinze foi escolhido com 80% dos votos dos convencionais para concorrer ao governo do Estado, no dia 24 de março. Ele foi o último pré-candidato a ser confirmado até agora. Como a candidatura própria do PP ao Piratini não estava confirmada, o partido agora vai em busca de alianças. E ainda não tem palanque nacional, já que o partido não terá candidato próprio ao Planalto. Se o PSL não tiver candidato ao governo do Estado, uma possibilidade é fechar aliança com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), mas ainda há o candidato do Podemos, Alvaro Dias, e até Geraldo Alckmin.

    JOSÉ IVO SARTORI (PMDB)

    É unanimidade entre as lideranças do PMDB que o governador José Ivo Sartori (PMDB) deve concorrer à reeleição. No fim de semana passado, o presidente Michel Temer (PMDB) confirmou que pretende disputar a reeleição. Se isso se confirmar, o palanque nacional de Sartori deve ser do próprio PMDB. Inicialmente, o governador se negava a falar sobre as eleições deste ano. Nos últimos meses, passou a repetir a seguinte frase: “se não posso dizer que sim (serei candidato), também não preciso dizer que não”. Como está no comando do Piratini, o peemedebista deve ser o último candidato a confirmar a intenção de concorrer. Em 2014, Sartori também demorou a admitir a candidatura.

    JAIRO JORGE (PDT)

    O PDT definiu que o ex-prefeito de Canoas Jairo Jorge seria pré-candidato ao Palácio Piratini em uma convenção realizada em 5 de setembro de 2017. Na ocasião, o pré-candidato da sigla à presidência da República, o ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes, prestigiou o evento em que o ex-prefeito de Canoas foi indicado por aclamação. Jairo Jorge se filiou ao PDT alguns meses antes da confirmação da pré-candidatura. Ele havia construído toda a sua trajetória política no PT. Desde que foi confirmado para a disputa ao Piratini, tem percorrido o interior do Estado e espera visitar as 497 cidades gaúchas até o pleito. Jairo Jorge já participa de debates como pré-candidato.

    EDUARDO LEITE (PSDB)

    O ex-prefeito de Pelotas Eduardo Leite foi conduzido à presidência estadual do PSDB na convenção estadual em 11 de novembro de 2017. Embora sua pré-candidatura não seja oficial, os correligionários o apontam como nome do PSDB para o Piratini. Sua pré-candidatura ganhou mais força neste mês, quando o presidente nacional da sigla e governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, foi oficializado como candidato à presidência da República. Com isso, Leite é mais um pré-candidato ao Piratini que garante no seu palanque um presidenciável. No Estado, os tucanos participaram do governo José Ivo Sartori (PMDB) até janeiro, quando saíram por causa da candidatura própria.




    Comentários